Páginas

23 de set de 2011

Encontro de Aliança 26-09-11

Bom dia DCAs!

Dia 26 de setembro, às 19h, quarta segunda-feira, é dia de Encontro de Aliança por sub-fraternidades, tendo como referência o Organismo no qual o DCA está servindo.

Tal referência leva em conta a seguinte ordem: prioriza-se primeiro por DJC Local, depois por Específico Geral e por fim por Missão.

Em tal Encontro de Aliança do dia 26 os Vocacionados não poderão participar, a fim de que, a sós ou em pequenos grupos formados entre eles mesmos, possam rezar e estudar o capítulo do Temário Vocacional que vai ser indicado pela Lidiane.

No Encontro de Aliança, pedimos que o responsável pelo Organismo lembre aos DCAs sobre a importância de ter sempre em mãos os nossos Estatutos e ir utilizando os Temários de MOPDs nos órgãos que estão acompanhando.


- Quanto aos Estatutos:
Um dia vamos ter que apresentar nossos Estatutos à Igreja para sermos reconhecidos oficialmente. Mais antes, temos que efetivá-los na prática, pois mais que apresentar papel, teremos que apresentar uma rica experiência para ser discernida pela Igreja.

De modo que todos os responsáveis por organismos devem obedecer nossos Estatutos, pois eles já são lei interna. Sem eles não teríamos nenhuma referência de organização e nem mesmo o que haveríamos de apresentar à Igreja de modo organizado e seguro.

Devemos zelar nossos Estatutos, orar e vigiar, pois os demônios farão de tudo para nos afastar daquilo que Deus foi concedendo-nos, a inspiração inicial fundante e a nossa Identidade DJC como um todo.

Os DCAs e os demais responsáveis por Organismos devem ser os primeiros a zelar por nossos Organismos e órgãos; e conhecer e obedecer nossos Estatutos. Sempre no Espírito, não na carne, para que tudo cresça e frutifique com unção e disciplina.


- Quanto aos Temários de MOPDs:
Nossa vocação e missão é ser e formar discípulos, e disso não podemos abrir mão jamais! Todo movimento existe na Igreja para ajudá-la em algo específico. Nascemos para isto e por isso tudo deve convergir para ser e formar discípulos!

Nas primeiras vezes que conversei com Dom José Antonio sobre o nosso DJC, lembro-me bem que logo de imediato ele me disse que eu teria que garantir o acompanhamento de todo este povo.

Já sabia disso, mais encarnei ainda mais esta missão, e desde então priorizamos iniciativas para atender a esta necessidade de acompanhamento, unidade e orientação de toda Obra DJC: criação do Conselho Geral, Irmanador Discipulado, blogs, eventos gerais  e elaboração de Temários de MOPDs...

Os Temários de MOPDs garantem o direcionamento dos órgãos do DJC no decorrer da caminhada discipular, as diretrizes, as formações, etc

Por isso, logo que se fale em começar um organismo ou órgão novo, como um DJC Local, Ministério ou uma Fraternidade Cristã, os responsáveis (Acompanhantes Locais, Conselheiros Gerais e Articuladores) devem ler a Introdução do Temário da Irmanação (T1) com os primeiros discípulos, sobretudo com aqueles a quem uma nova responsabilidade está sendo confiada.

A partir da leitura da Introdução do Temário da Irmanação, todos vão entendendo e dando passos em comunhão com a Obra DJC. Desta forma, vão sabendo o que deve ser feito e tendo certeza que estão atendendo o que a Igreja espera do DJC.

Desta forma meus irmãos e irmãs, peço desculpas pelo repeteco, mais enfatizo que todos temos o dever de ter em mãos os Estatutos do DJC e ir seguindo os Temários de MOPDs no decorrer da caminhada discipular.

Quanto aos Temários de MOPDs, todos devem ir comprando, a fim de que possam levar pra casa e ir estudando e crescendo mesmo como discípulos de Jesus, seja individualmente, seja comunitariamente.

Que os Temários sejam de edições novas, tendo em vista que fomos aperfeiçoando-os no decorrer da caminhada. Adquirir nas Publicações do Discipulado (Falar com Eudenha).
Alguma coisa que ainda falta arrumar no DJC, aos poucos estamos arrumando e tudo vai melhorando.

Logo de início todos devem ser direcionados para a caminhada discipular, com acolhimento e compreensão, mais sem deixar de orientar para os passos concretos que devem ser dados!

Caso alguém não possa participar do Encontro de Aliança na próxima segunda-feira, pedimos que o responsável providenciem xerox desta mensagem a fim de todos os DCAs fiquem a par dessas orientações.

Mãos e coração à Obra!

Força na caminhada discipular!

Fraternalmente,

Pe. Marcos Oliveira
Acompanhante Geral do DJC

Atualizada aos 23/09/11 às 11h:55

21 de set de 2011

Siloé com a Bíblia Sagrada


Setembro, mês da Bíblia!



Tempo especial para celebrar a Palavra de Deus!



É importante que seja realizado um Siloé enfatizando a importância da Palavra de Deus posta por escrito na Bíblia Sagrada.



Onde for possível, pode ser realizado o Tríduo da Palavra de Deus ou todos os Siloés do mês voltados de um modo especial para a mesma.



Além do comum de cada Siloé, entronizar a Bíblia na oração inicial.



Todos com a Bíblia Pastoral em mãos, juntos recitar ou cantar partes do Salmo 119, que é como que o Ofício de louvor à Palavra de Deus



Na oração de bênção, pedir a graça da fé, a realização das promessas de Deus, a graça de caminhar conforme o Evangelho, etc



xxx



Texto para ajudar na pregação:



A palavra está muito perto de ti



Deuteronômio 30,11-14



Antes de iniciar a leitura desta página, peça o auxílio do Espírito Santo, Aquele que inspirou os autores sagrados a escreverem o que Deus quis, para que você entenda o quê e o para quê foi escrito.

Tomemos hoje o livro do Deuteronômio, capítulo 30,11-14 e façamos uma Lectio com ele. Leia pelo menos três vezes, com atenção, se possível à meia voz.

Partilhemos. Para você ter uma noção, o livro do Deuteronômio ou segunda lei é, em grande parte, uma recapitulação da história do povo hebreu relatada nos livros precedentes, a partir do monte Horeb onde Deus se revelou a Moisés.

O Deuteronômio repete também parcialmente, as leis. Essa recapitulação é inspirada e dominada por uma idéia: a história reflete o amor do Senhor para com seu povo escolhido. Ele escolheu livremente a Israel para ser o seu próprio povo e este deve reconhecer nele seu único Deus e oferecer-lhe culto no seu único santuário.

O livro foi concluído no cativeiro da Babilônia, entre os anos 587 a 538 a.C. O trecho que escolhemos para a nossa Lectio de hoje faz parte do terceiro discurso de Moisés que inicia em Dt 28,69 e se estende até o final do capítulo 30.

Veja o versículo 11: “Por que este mandamento que hoje te ordeno não é excessivo para ti, nem está fora do teu alcance.” Você acha que os mandamentos de Deus são pesados (excessivos) para você? Você conhece os dez mandamentos? Não lembra todos? Ou ainda troca a ordem de alguns? Bem, façamos uma revisão:

1) Amar a Deus sobre todas as coisas.

2) Não tomar seu santo nome em vão.

3) Guardar os domingos e dias de festas.

4) Honrar pai e mãe.

5) Não matar.

6) Não pecar contra a castidade.

7) Não furtar.

8) Não levantar falso testemunho.

9) Não desejar a mulher do próximo.

10) Não cobiçar as coisas alheias

(cf. Ex 20,1-21 e Dt 5,1-22; Veja também no Catecismo grande da Igreja Católica).



No tempo de Jesus, os fariseus perguntaram-lhe qual era o maior mandamento e Ele respondeu: “Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua mente. Este é o maior e o primeiro dos mandamentos. E o segundo é semelhante ao primeiro: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas” (Mt 22,37-40). São Paulo resume bem ao dizer: “O amor é a plenitude da Lei.” (Rm 13,10).

 Para algumas pessoas uns mandamentos parecem mais pesados que outros. Para os jovens talvez o sexto mandamento seja um fardo. Para outros o oitavo é um peso grande, pois não conseguem deixar de “comentar” sobre a vida dos outros. Mas a Palavra de Deus garante que os mandamentos não são excessivos. Se você sente dificuldade em relação a um mandamento especial, peça hoje a graça para que este versículo de Dt 30,11 seja verdade em sua vida e que você não sinta peso em cumprir os mandamentos. Inicie assim: “Senhor, eu creio em tua Palavra. Dá-me neste dia a graça da fidelidade à tua Lei. Que (ela / este mandamento...) não seja um peso excessivo para mim... Que o teu Espírito me dê a força necessária e eu seja vencedor contigo...”

A continuação do versículo 11 diz ainda que os mandamentos não estão fora do nosso alcance. Você já imaginou se o que Deus nos pedisse fosse algo impossível. Que desânimo e frustração não nos causariam, não é mesmo? Como ser fiel a algo muito maior do que nós? Mas não, eles estão ao nosso alcance. Agradeça o Senhor por isso: “Eu te louvo e te agradeço Senhor, pois os teus mandamentos estão ao meu alcance. Obrigado por que eles são a nossa felicidade e cumpri-los é buscar a santidade a cada dia...”

 Os versículos 12 a 13 explicitam que a Palavra do Senhor não está longe de nós. Nem no alto céu e nem além-mar. Não temos desculpas. E conclui no versículo 14: “Sim, por que a palavra está muito perto de ti: está em tua boca e no teu coração, para que a ponhas em prática.” Note quão importante é a leitura em voz alta ou à meia voz. A Palavra pronunciada penetra pelos nossos ouvidos e alcança o coração e assim podemos pô-la em prática. Lembre-se que naquele tempo o principal meio de transmissão dos ensinamentos era por via oral, pois não existia o papel e os rolos e pergaminhos eram caros. Se naquele tempo a palavra já estava ao alcance do povo, imagine hoje.

Outro ponto importante é que com a Encarnação do Verbo realmente podemos afirmar: A Palavra está muito perto de ti. Jesus veio para ser o Emanuel, o Deus-conosco. Ele vem fazer morada em nós quando lhe abrimos o coração.

Inicie uma oração espontânea reafirmando sua fé na presença real de Jesus ao seu lado: “Senhor, eu creio que Tu estás perto de mim, ao meu lado... Obrigado pela tua Palavra, pelos hagiógrafos, os autores sagrados que o teu Espírito inspirou a escrever tudo e somente aquilo que é da tua Vontade. Obrigado pelos homens e mulheres que ao longo da história da Igreja, preservaram-na e transmitiram-na para que ele estivesse ao meu alcance... Obrigado pelos estudiosos e tradutores que me permitem lê-la no meu idioma... Perdão por toda negligência e falta de zelo na leitura e anúncio da tua Palavra... Ignorar as Escrituras é ignorar-te, Senhor! Dá-me a graça da fidelidade a cada dia do meu momento contigo através da Palavra... Dá-me também a graça de pô-la em prática e não perdê-la...” Continue da forma que o Espírito Santo o mover.

Continue mais um tempo de sua oração em contemplação, louvando e bendizendo este Deus tão perto de nós... Shalom!



José Ricardo Bezerra





xxx



Em outras pregações, poderia ser lido João 1, cuja ênfase é que a Palavra de Deus é uma pessoa, é Jesus.



Ou Isaías 55, que ressalta sua eficácia salvadora, etc



A Dei Verbum ou a Verbum Domini (documentos da Igreja) poderiam ser amplamente utilizadas nas pregações do mês de setembro.



C R I A Ç Ã O: Criatividade e ação a serviço da evangelização!



E olha que a Palavra de Deus tudo recria e faz novo novamente!!!



Ela mesma é fonte de unção e criatividade!



Pe. Marcos Oliveira

Atualizada aos 21/09/11, às 09h:37

19 de set de 2011

Reunião dos Servidores 19/09/11

Boa tarde Discípulos e Discípulas de Jesus!

Hoje às 19h teremos a Reunião do Corpo de Apostolado Geral do DJC, mais conhecida como Reunião dos Servidores.

A mesma será realizada separadamente por Organismos, na seguinte ordem de prioridade para participação: DJCs Locais, Específicos e Missões.

Nosso DJC está dando um grande passo unidade e de articulação: cada Específico Geral vai construir a sua sala de referência na Casa do DJC Fortaleza.

O Apostolado Geral das Artes e o Apostolado Geral da Infraestrutura já têm as suas salas construídas (só falta embelezar) e o Apostolado Geral da Bênção já vai iniciar a construção da sua na próxima semana.

Tais salas de referência servirão para guardar documentos, fichas, subsídios, bem como para reuniões específicas e atendimento personalizado dos Servidores de todo DJC junto ao seu respectivo Conselheiro Geral.

Além disso, em tais salas também serão oferecidos pelos diversos Específicos plantões de atendimento a todas as outras pessoas necessitadas de direção espiritual.

Desta forma, no exercício do nosso Ministério de Acompanhamento Geral, auxiliado diretamente pelo Conselho Geral, estamos priorizando cada vez mais a UNIDADE e a ORGANIZAÇÂO GERAL de todo DJC.

Dado que na mesma casa continuarão sendo realizadas as atividades próprias do DJC Fortaleza, inclusive na coberta que está para ser construída, orientei a Zuleide para, juntamente comigo, favorecermos cada vez mais esta integração e organização geral para o bem de toda Obra DJC.

Neste sentido, a Casa do DJC Fortaleza, pelo seu tamanho e localização de fácil acesso, continua sendo a referência geral de evangelização e articulação de todo DJC e a casa da Fraternidade de Aliança, em Mucunã, continua sendo para reuniões e encontros internos.

Faço estas explicações a fim de que todos possam ficar por dentro dos novos passos que estão sendo dados pelo DJC no seu conjunto.

Mãos e coração à Obra!

Em cada nova construção, Deus seja glorificado e o DJC edificado na sua vida e missão!

Graça e Paz!

Pe. Marcos Oliveira
Acompanhante Geral

Irmanador Discipulado 28 - Outubro a dezembro 2011

Bom dia discípulos de Jesus!

Já está à venda o Irmanador Discipulado 28, para o período de outubro a dezembro de 2011.

No mesmo, o grande enfoque formativo será para o Kairós 2011, a partir da Declaração Dominus Iesus e de um texto de minha autoria sobre paganismo e cristianismo.

Preço: R$ 0,50.

Venda: Publicações do Discipulado (Eudenha).

O bom mesmo é pagar já no ato do recebimento!

Graça e Paz!

Pe. Marcos Oliveira

13 de set de 2011

Disciplina Comum do DJC - 2012

Organismo/Obra: DJC Geral




Vínculo: este ítem só é preenchido quando se trata de uma Missão.



1) Objetivo geral do DJC:

Reavivar e desenvolver integralmente a vida cristã-batismal na perspectiva do seguimento de Jesus Cristo.



2) Objetivo específico da Fraternidade de Aliança:

A Fraternidade de Aliança congrega todos os DCAs, tendo por objetivo principal cultivar a irmandade e a espiritualidade, e orientar e articular toda a vida e missão dos mesmos. Através destes, todo DJC é acompanhado.



3) Estratégias:

Considerando o Método de Evangelização e Acompanhamento de Discípulos do DJC:

- Cultivar sempre a unidade interna do DJC e a comunhão do mesmo dentro da Igreja Católica Apostólica Romana.

- Zelar pela Identidade DJC a partir dos nossos estatutos.

- Manter a periodicidade das Publicações do Discipulado, com bom conteúdo e senso de metodologia, custos, distribuição logística, uso efetivo nos organismos e órgãos, etc.

- Cultivar toda uma disciplina geral, sobretudo mantendo datas fixas e linguagem interna comum que ajudem a dar referência, pontualidade, articulação, entendimento e eficácia.

- Ministrar os encontros de aliança, seja por Fraternidade ou sub-fraternidade. Realizar encontros quinzenais dos DCAs, juntos ou separadamente para irmandade, oração, formação, partilha e encaminhamentos.

- Retiros de espiritualidade e confraternizações.

- Realizar bons eventos gerais como o Reavivamento no Espírito Santo, Festejos de São Paulo, Congresso dos Discípulos de Jesus (em discernimento), Confraternização Graça e Paz e Kairós.

- Editar o blog da Fraternidade de Aliança.

- Favorecer que o Conselho Geral seja o ponto de unidade, irmanação e articulação, na diversidade, comunhão e participação dos diferentes organismos, mas também de garantias para o DJC não fugir da sua Identidade, não sofrer prejuízos humanos, espirituais e materiais.

- Acompanhar os DCAs, sobretudo nas tardes das segundas-feiras, tendo por referência as Disciplinas Comuns e a sua Disciplina Pessoal anotada na Agenda da Caminhada Discipular.

- Acompanhar os diversos responsáveis por Organismos do DJC.

- Favorecer a atuação dos ministérios gerais nas reuniões do Conselho Geral, encontros de aliança e eventos gerais do DJC, para que tal metodologia mantenha a ministerialidade ativa e organizada e também sirva de exemplo e seja repetida nos outros níveis do DJC.



4) Ministerialidade:

Considerando a Estrutura Básica do nosso DJC:



4.1 - Ministério Geral de Acompanhamento: Pe. Marcos Oliveira (Acompanhante Geral)



4.2 - Assistências Gerais

- Assistência Geral do Reavivamento:

- Assistência Geral do Desenvolvimento Integral: Edmar (Assistente Geral)

. Ministério Geral de Formação: Joênio (coordenador)

- Assistência Geral das Vocações: Lidiane (Assistente Geral)



4.3 - Específicos Gerais

- Apostolado Geral da Bênção: Leila (conselheira) e Ercílio (vice-conselheiro)

. Ministério Geral de Devoção Mariana: Socorro França (coordenadora)

. Ministério Específico/Geral de Fotografia da Bênção: Almada (coordenadora)



- Apostolado Geral das Artes: Sheila (conselheira)

. Ministério Geral de Música Aos Pés da Cruz: Helton (coordenador)

. Ministério Específico/Geral de Comunicação das Artes: Carlos Filho (auxiliar)



- Apostolado Geral da Infraestrutura: Socorro(conselheira) e Rizete (vice-conselheira)

. Ministério Geral de Tesouraria: Rizete (coordenadora)

. Ministério Geral de Secretaria: Renata Naira (auxiliar)

. Ministério Geral de Loja: Herculano (coordenadora)

. Ministério Geral de Lanchonete: Elizane (coordenadora)



- Discipulado Geral dos Jovens: Edilma(conselheira) e Eduardo(vice-conselheiro)

. Ministério Específico/Geral de Formação dos Jovens: Pauline (?)



- Discipulado Geral dos Adultos: Renata(conselheira) e Otinha(vice-conselheira)



- Discipulado Geral dos Casais: Derim e Evanda(conselheiros), Neto e Zuleide(vice-conselheiros)



4.4 - DJCs Locais

DJC Cascavel: Leila (Acompanhante Local)

DJC Fortaleza: Zuleide (Acompanhante Local) e Neto(vice-Acompanhante Local)

DJC Palmácia: Otinha (Acompanhante Local)

DJC Manoel Sátiro: Fátima Gondim (Acompanhante Local)

DJC Pacoti: Andrelina (Acompanhante Local)

DJC Antonio Bezerra: Pe. Marcos Oliveira (Acompanhante Local)



4.5 - Missões

Missão Graça e Paz: Tony (Acompanhante)



4.6 – Discipulado da Diáspora: ? (Articulador)



5) Agenda 2012



Reuniões ordinárias das segundas-feiras

- Primeiras segundas: Conselho Geral, na Casa da Fraternidade de Aliança

- Segundas segundas: Encontro de Aliança, na Casa da Fraternidade de Aliança (a partir de julho com a participação dos Vocacionados)

- Terceiras segundas: Corpo de Apostolado Geral, nas sedes dos Organismos do DJC (ordem de prioridade: DJC Local, Específico Geral e Missão).

- Quartas segundas: Encontro de Aliança, por sub-fraternidades de aliança, nas sedes dos Organismos do DJC (ordem de prioridade: DJC Local, Específico Geral e Missão) .Simultaneamente, durante o primeiro semestre, os Vocacionados estarão com a Lidiane (Ministra Geral das Vocações) participando do Encontro Vocacional na Casa da Fraternidade de Aliança. No segundo semestre, irão estudar individualmente ou em pequenos grupos as formações indicadas pela Lidiane.

- Quintas segundas: livres



Janeiro

20 a 22 – Retiro dos DCAs e Vocacionados ao Compromisso de Aliança, na Casa da Fraternidade de Aliança

22 – Celebração da Aliança, na Casa da Fraternidade de Aliança



Fevereiro

19 a 21 – Reavivamento no Espírito Santo, na Vila Olímpica do Canindezinho



Junho/Julho

Festejos Paulinos, nos DJCs Locais



Julho

29 – Confraternização Graça e Paz, na Casa da Fraternidade de Aliança



Outubro/Novembro/Dezembro

Kairós, nos DJCs Locais





Importante:

- Cada responsável por Organismo do DJC (Conselheiros dos Discipulados e Apostolados Específicos, Acompanhantes dos DJCs Locais e Acompanhantes das Missões) façam a respectiva Disciplina Comum 2012 do seu organismo.

- Além das atividades ordinárias, devem colocar essas datas da Disciplina Comum de todo DJC e discernir quatro encontros extras - mínimo de dois (para lazer, espiritrualidade, formação).

- Tais encontros extras podem ser realizados em comum com outros organismos, mais tudo deve ser bem discernido.

- As atividades dos Específicos Gerais deverão ser incluídas nas Disciplinas dos DJCs Locais e das Missões vinculadas.

- E depois, todos os discípulos, quando forem fazer suas disciplinas pessoais, também haverão de incluir todas datas das Disciplinas Comuns dos diversos Organismos do DJC nos quais estão caminhando, servindo ou apenas auxiliando.

- Por isso, o mais tardar, todos devem publicar as disciplinas até o final de novembro, a começar pelos Conselheiros Gerais.

- Para facilitar a articulação, todos devem seguir as folhas de disciplinas comuns contidas na Agenda da Caminhada Discipular e no Manual Identidade DJC.

- Tudo isso converge para a construção do nosso DJC. Quando Deus nos chamou, ele disse na profecia de Ezequiel: "E vocês reviverão. Em pé, serão um grande exército!" Exército é organizado e está sempre com seus batalhões em ordem de batalha! Por isso, ninguém pode coxilar!



Feliz caminhada Discipular 2012 !



Mãos e coração á obra!



Fraternalmente,



Pe. Marcos Oliveira

Acompanhante Geral do DJC



Atualizada aos 26/01/12 às 20:53h

12 de set de 2011

Rede Discipulado na Internet

Tendo à frente o Ministério Geral de Comunicação (Carlos Filho), órgão integrante do Apostolado Geral da Infraestrutura (Socorro), a Rede Discipulado na Internet continua se fortalecendo a todo vapor.

Queremos repetir no continente digital a estrutura real do DJC.

Por isso, os diversos blogs dos diversos organismos e órgãos do DJC estão sendo arrrumados no portal e nas diversas seções de modo padronizado e concatenados entre si.

Para tanto, é importante que os diversos responsáveis estejam sempre atentos à nomenclatura e ao conteúdo específico do seu blog. Orar e vigiar sempre para que tudo concorra para o nosso objetivo geral como DJC.

O internauta é caracterizado como uma pessoa que não pode perder muito tempo... Por isso, os blogs, mais do que enfeites, devem ter eficácia e eficiência, embora a beleza também deva acompanhar estes ítens!

Por questão de orientação padronizada, todos os blogs da Rede Discipulado na Internet devem ter sempre no canto superior direito a plaquinha do Discipulado de Jesus Cristo com o endereço do portal oculto nela, de modo que basta a pessoa clicar e vai direto para o Portal DJC. Lá enxerga os outros blogs e continua navegando, indo e voltando na Rede.

O Carlos Filho, no exercício do seu Ministério, vai ficar acompanhando e orientando sobre estas questões básicas de padronização da única Rede Discipulado na Internet.

Lembramos que nossos blogs são um grande estágio preparatório para o nosso fututo site com endereço registrado. Por isso é importante que todos os responsáveis por blogs estejam atentos a estas explicações e possam colocá-las em prática o mais rápido possível.

Graça e Paz!

Fraternalmente,

Pe. Marcos Oliveira

10 de set de 2011

Kairós 2011



- O que é o Kairós?

O Kairós, uma palavra bíblica que significa tempo favorável para a salvação, é a festa do Senhor Jesus(Dominus Iesus), mais pela sua infinita misericórdia, o presente é para todos nós, seus filhos e filhas que lhe abrem o coração através da fé.

A fé entra pela pregação da Palavra no poder do Espírito Santo até alcançar o coração e todas as áreas da vida da pessoa.

Por isso o Kairós é a grande festa querigmática da salvação, com muito louvor, alegria, fraternidade, oração no Espírito Santo, pregação do Evangelho do Amor de Deus e oração de bênção e de salvação.

Em um mundo onde muitas pessoas têm sede da Verdade e da Vida, mais ao mesmo tempo com muitos relativismos e idolatrias, é necessário anunciar Jesus Cristo e seu Evangelho como dom de amor do Pai Celeste para a salvação de toda humanidade.

- Casamento entre Kairós, Siloé e Reavivamento no Espírito Santo

Dado que ambos são eventos querigmáticos do DJC, Kairós, Siloé e Reavivamento no Espírito Santo podem ser casados entre si.

Ou seja, por algumas semanas seguidas, ministra-se todo Reavivamento no Espírito Santo nos horários do Siloé, e o Kairós pode ser realizado como uma grande festa de conclusão do mesmo.

O povo vai fazendo o RES e ao mesmo tempo vai sendo convidado para celebrar o Kairós.
Em outras circunstâncias, mais sempre com discernimento, podem ser realizados Reavivamentos Específicos para jovens, adultos e casais no horário das próprias Fraternidades Cristãs, que também culminarão na celebração do Kairós.

Tudo discernido e meditado sempre dá certo, para não haver riscos de sufocamentos, atropelos e descaracterização dos eventos.

No que se refere ao Reavivamento, os responsávies deverão ler as considerações iniciais do subsídio próprio do Reavivamento, que é o Temário de MOPDs 0. No Manual do DJC existe uma ficha de inscrição para o Reavivamento (quando se julgar necessária).

- Tema do Kairós 2011:

"Eo sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Princípio e o Fim!" (Ap 22,13).

Dominus Iesus: Somente Jesus é o nosso Senhor e Salvador.

Somente Ele é o Deus Único e Verdadeiro na unidade do Pai e do Espírito Santo.

Para Ele todo louvor, toda honra, toda adoração e toda glória hoje e sempre e por toda eternidade.

Nós o acolhemos na nossa vida, pois sem Ele não somos nada, sem a sua graça a nossa vida não tem sentido. Acolhemos o seu amor que cura, salva e liberta e por causa dele renunciamos publicamente todos os falsos deuses, demônios e ídolos de ontem e de hoje. Mais a ênfase deve ser o querigma, não a denúncia das seitas!

- Data do Kairós

Não existe uma data fixa, mais um período nas mediações da Solenidade de Cristo Rei, advento e natal do Senhor. Por isso, o Kairós é realizado entre outubro, novembro e dezembro (quarto trimestre do ano).

- Responsável pelo Kairós

Os DJCs Locais, com a ajuda dos Ministérios Gerais de Assistência e dos três Discipulados e Apostolados Gerais do DJC.

Dado que em todas localidades o povo necessita de evangelização, e não devemos ter medo de avançar para águas mais profundas, o bom mesmo é que todos os DJCs Locais realizem o Kairós da melhor maneira possível na sua própria localidade e Jesus sempre vai fazer acontecer a pesca milagrosa.


- Antes do Kairós

Discernir tudo...

Ver local, data, horários, ministros, equipamentos...

Se vai ser casado ou não com o Siloé, Reavivamento no Espírtito Santo, etc


Se vai haver encontros de oração em preparação para o kairós (ver proposta lá embaixo).

Não esquecer divulgação com camisas, bonés, faixas, cartazes em locais estratégicos (comércios, escolas, igrejas, paradas de ônibus).

Além da divulgação, motivação, convite boca-a-boca, avisos em Missas, rádios...

Tudo com parresia, eficácia, beleza...

- Programação do Kairós:

Para que o Kairós alcance seus objetivos específicos, propomos o seguinte roteiro básico:

Manhã: Acolhimento, louvor e fraternidade, oração no Espírito Santo, entronização e pregação da Palavra de Deus e oração na Palavra.

Tarde: Devoção mariana, louvor e fraternidade, pregação da Palavra de Deus, entronização do Santíssimo Sacramento, adoração e oração de salvação.

Noite: Santa Missa direcionada para as famílias.

- Pós-Kairós

O Kairós é um evento de evangelização aberto a todas as pessoas. Porém, sempre é importante convidar para participar do Siloé e das Fraternidsades Cristãs.

Por isso é importante que o Ministério de Acolhimento do DJC Local esteja de prontidão para convidar para o Siloé e cada Discipulado Específico também convide para uma Fraternidade Cristã (se possível, de iniciantes).


Depois voltaremos a esta postagem com novas explicações e propostas!

Desde já, bom Kairós!

Jesus Cristo vive e é o Senhor!!!



xxx




Encontros de Oração rumo ao Kairós


O kairós é a festa da salvação. Por isso é muito bom que haja uma grande preparação das pessoas antes da realização do mesmo.


Uma das maneiras de prepará-lo é realizar uma série de encontros de oração tendo por referência os capítulos 40 – 55 de Isaías. A própria Palavra de Deus que “se cumpre sempre” (Is 40,8) vai criando a mística do Kairós no coração dos discípulos e em todo ambiente também.


Estes capítulos constituem o que os exegetas chamam de Segundo Isaías. O profeta anuncia um novo êxodo para o povo, quando o Senhor vai realizar maravilhas de salvação muito maiores do que no primeiro. Com toda propriedade, o profeta Isaías é chamado de evangelista, arauto de boas notícias. “A profecia do Segundo Isaías é um dos textos mais citados do Novo testamento; o evangelho de João, mesmo sem citá-lo, está sob o seu influxo” (Schokel).


Esses encontros de oração podem ser realizados no horário do Siloé. Vão nos ajudando a meditar cada aspecto da salvação, para que possamos melhor vivenciá-la, o que a Bíblia chama de “tomar posse da bênção de Deus”.


Aos poucos, à medida que o tempo nos possibilite, vamos selecionar passagens e colocar algumas dicas de pregação e oração.


1º Encontro de Oração rumo ao kairós: O Senhor é nossa força
Is 40,6-11.27-31
Mt 11,25-30
Jesus é força para os cansados, paz para os angustiados.


2º Encontro de Oração rumo ao kairós: Fonte de água viva
Is 41,17-20
Jo (Jesus e a Samaritana)
Jesus vai ao nosso cotidiano e sacia nossa sede. Samaritana vivia sem sentido, de galjo em galho (muitos maridos), como uma pessoa que não persevera na profissão, nos estudos, na vida afetiva, quebrando a cara nos vícios... Jesus vai ao seu cotidiano, dá-lhe de beber. A Samaritana transborda desta água: sai evangelizando.



3o Encontro de Oração rumo ao kairós: Em Jesus, Justo e Misericordioso, colocamos a nossa esperança 
Is 42,1-13

O Servo de Deus, Jesus, o Cristo, “cheio do Espírito”: será justo (implantará o direito) e misericordioso (não quebrará a cana rachada nem apagará o pavio que ainda fumega).

Javé que dá respiração e o Espírito aos habitantes da terra, colocará Jesus como aliança de um povo e luz para as nações.

Jesus abrirá os olhos dos cegos, libertará os presos da cadeira e os que vivem na escuridão.

Em Jesus Salvador, Javé não dará a outros a sua glória. Somente a Ele deveremos render glória (não aos demônios, espíritos de mortos e nem a homem algum).

As primeiras coisas já aconteceram (primeira criação). Coisas novas vão acontecer (segunda criação = homens novos em Jesus).

Por isso, cantem a Javé um cântico novo (das novas criaturas).



Mt 12,15-21

Jesus é o cumprimento das promessas de Deus. Com Ele o tempo da salvação (Kairós) já é realidade. Nele depositamos toda a nossa esperança, pois somente ele levará o julgamento à vitória!





Cânticos oportunos:

Louvor:

Súplica ao Espírito Santo:

Oração de bênção:



Continuaremos depois...

8 de set de 2011

Manual Identidade DJC

Boa tarde discípulos de Jesus!

Porquê

Até os médicos mais experientes

consultam seus livros de medicina

nos momentos de dúvida...


Estamos lançando o Manual Identidade DJC.


Eis a introdução do mesmo:

Fiel a sua identidade o DJC quer ser pessoa, viver sua vocação e cumprir sua missão. Só então será plenamente realizado.


Muitos são os que nos fazem perguntas sobre a essência e os procedimentos do DJC no dia-a-dia, com o desejo sincero de realizar o seu ministério em fidelidade à obra. Nem sempre temos tempo suficiente, e às vezes acabamos repetindo para um praticamente a mesma coisa que explicamos a outro. Por isso, estamos escrevendo este texto explicativo e orientador, sempre em sintonia com a nossa inspiração inicial fundante e os nossos Estatutos.


Com esta apostila (ainda em construção), no exercício do nosso Ministério de Acompanhamento Geral, mas com ajuda direta ou indireta daqueles que são ou que já foram responsáveis por organismos, sem esquecer também de todos que colocaram os pés nesta caminhada comum, queremos, portanto, orientar os discípulos a continuar dando passos segundo nosso objetivo geral, estrutura e método.


O DJC é muito abrangente e é compreensível mais na prática do que na teoria, pois tudo está muito ligado e interdependente entre si, como acontece em uma pessoa: cada dimensão do seu ser é constitutiva da totalidade deste mesmo ser. Por isso, aconselhamos que você não procure decorar todos os termos e conteúdos. Vá lendo... vá meditando... vá dando os passos indicados... Então você estará no caminho certo e em fidelidade à obra, e continuará ajudando o DJC a ser DJC. Na prática você irá entender melhor o que é o DJC e de passo em passo vai se encontrando dentro do mesmo.


Graça e Paz!


Fraternalmente,


Pe. Marcos Antonio de Oliveira

Acompanhante Geral do DJC



Em tempo:


O Manual custa apenas R$ 5,00


Como ele ainbda está em conbstrução, à medida que formos alterando ou acrescentando explicações, vamos postá-las neste blog.

Cada discípulo vai imprimindo e acrescentando no seu manual. Por isso o mesmo não está encadernado, mais em uma pasta com prendedor.


5 de set de 2011

Siloé na Festa da Exaltação da Santa Cruz

 A Festa da Exaltação da Santa Cruz é no dia 14 de setembro, mais pode ser rezada no Siloé mais próximo a esta data.


Seguimos oferecendo algumas sugestões:


- Louvor / adoração: Entrada solene da Santa Cruz com cantico conveniente (sem a imagem do Crucificado, mais com um pano de um braço ao outro, significando a ressurreição). Diante da cruz, adorar Jesus Redentor, que venceu a morte e ressuscitou. A cruz é sinal de vitória e ressurreição. O pano nos seus braços lembra que o sudário ficou no sepulcro. Jesus saiu do sepulcro com o seu corpo glorioso.



- Súplica ao Espírito Santo: Pedir ao Espírito Santo a graça de viver a alegria da vitória da cruz, a ressurreição de Jesus, de acolher o seu Sangue que foi derramado, mais Jesus fez isso por amor a nós. Nossa lembrança dele deve passar pela cruz, mais culminar na vitória final que ela representa. Somente o Espírito Santo pode nos ajudar a adentrar no mistério da cruz. Oração em línguas...



- Palavra de Deus: 1Cor 1,17-25 ou Fil 2,5-11 etc

Textos de ajuda para a pregação (mais em vez de aula, ela deve ser querigmática e com parresia):

Texto 1:
Atualmente a cruz já não se apresenta aos fiéis em seu aspecto de sofrimento, de dura necessidade da vida ou inclusive como um caminho para seguir a Cristo, mas em seu aspecto glorioso, como motivo de honra, não de pranto. Antes de tudo, digamos algo sobre a origem desta festa. Ela recorda dois acontecimentos distantes no tempo. O primeiro é a inauguração, por parte do imperador Constantino, de duas basílicas, uma no Gólgota, outra no sepulcro de Cristo, no ano 325. O outro acontecimento, no século VII, é a vitória cristã contra os persas, que levou à recuperação das relíquias da cruz e sua devolução triunfal a Jerusalém. Contudo, com o passar do tempo, a festa adquiriu um significado autônomo. Converteu-se em uma celebração gloriosa do mistério da cruz, que, sendo instrumento de ignomínia e de suplício, Cristo transformou em instrumento de salvação.

As leituras refletem esta perspectiva. A segunda leitura volta a propor o célebre hino da Carta aos Filipenses (2,5-11), onde se contempla a cruz como o motivo da maior «exaltação» de Cristo: «aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor». Também o Evangelho fala da cruz como do momento no qual «o Filho do homem foi levantado para que todo o que creia tenha por Ele vida eterna».

Houve, na história, dois modos fundamentais de representar a cruz e o crucifixo. Os chamamos, por comodidade, de o modo antigo e o moderno. O modo antigo, que se pode admirar nos mosaicos das antigas basílicas e nos crucifixos da arte romântica, é glorioso, festivo, cheio de majestade. A cruz, frequentemente sozinha, sem crucifixo, aparece projetada em um céu estrelado, e sob ela a inscrição: «Salvação do mundo, salus mundi», como em um célebre mosaico de Ravena.

Nos crucifixos de madeira da arte românica, este tipo de representação se expressa no Cristo que reina com vestes reais e sacerdotais a partir da cruz, com os olhos abertos, o olhar para a frente, sem sombra de sofrimento, mas radiante de majestade e vitória, já não coroado de espinhos, mas de pedras preciosas. É a tradução do versículo do salmo: «Deus reinou do madeiro» (regnavit a ligno Deus). Jesus falava de sua cruz nestes mesmos termos: como o momento de sua «exaltação»: «E quando eu for levantado da terra, atrairei todos para mim» (Jo 12, 32).

A forma moderna começa com a arte gótica e se acentua cada vez mais, até converter-se no modo ordinário de representar o crucifixo. Um exemplo é a crucifixão de Matthias Grunewald no altar de Isenheim. As mãos e os pés se retorcem como arbustos ao redor dos cravos, a cabeça agoniza sob um feixe de espinhos, o corpo coberto de chagas. Igualmente, os crucifixos de Velázquez e de Dali e de muitos outros pertencem a este tipo.

Os dois modos evidenciam um aspecto verdadeiro do mistério. A forma moderna-dramática, realista, pungente – representa a cruz vista, por assim dizer, por diante, «de cara», em sua crua realidade, no momento em que se morre nela. A cruz como símbolo do mal, do sofrimento do mundo e da tremenda realidade da morte. A cruz se representa aqui «em suas causas», isto é, naquilo que, habitualmente, a ocasiona: o ódio, a maldade, a injustiça, o pecado.

O mundo antigo evidenciava não as causas, mas os efeitos da cruz; não aquilo que produz a cruz, mas o que é produzido pela cruz: reconciliação, paz, glória, segurança, vida eterna. A cruz que Paulo define como «glória» ou «honra» do crente. A festividade de 14 de setembro chama-se «exaltação» da cruz porque celebra precisamente este aspecto «exaltante» da cruz.

Deve-se unir à forma moderna de considerar a cruz, a antiga: redescobrir a cruz gloriosa. Se no momento em que se experimentava a provação, podia ser útil pensar em Jesus cravado na cruz entre dores e espasmos, porque isto fazia que o sentíssemos próximo a nossa dor, agora há que pensar na cruz de outro modo. Explico com um exemplo. Perdemos recentemente uma pessoa querida, talvez depois de meses de grande sofrimento. Pois bem: não há que continuar pensando nela como estava em seu leito, em tal circunstância, em tal outra, a que ponto se havia reduzido no final, o que fazia, o que dizia, talvez torturando a mente e o coração, alimentando inúteis sentimentos de culpa. Tudo isto terminou, já não existe, é irreal; atuando assim não fazemos mais que prolongar o sofrimento e conservá-la artificialmente com vida.

Há mães (não digo para julgá-las, mas para ajudá-las) que depois de terem acompanhado durante anos um filho em seu calvário, quando o Senhor o chama para Si, rechaçam viver de outra forma. Em casa, tudo deve permanecer como estava no momento da morte do filho; tudo deve falar dele; visitas contínuas ao cemitério. Se há outras crianças na família, devem adaptar-se a viver também neste clima permeado de morte, com grave dano psicológico. Estas pessoas são as que mais necessitam descobrir o sentido da festa de 14 de setembro: a exaltação da cruz. Já não és tu que leva a cruz, mas a cruz que te leva; a cruz que não te arrebata, mas que te ergue.

Há que pensar na pessoa querida como é agora que “tudo terminou”. Assim faziam com Jesus os artistas antigos. Contemplavam-no como é agora, como está: ressuscitado, glorioso, feliz, sereno, sentado no trono de Deus, com o Pai que “enxugou toda lágrima de seus olhos” e lhe deu “todo poder nos céus e na terra”. Já não entre os espasmos da agonia e da morte.

Não digo que se possa sempre dominar o próprio coração e impedir que sangue com a recordação do sucedido, mas há que procurar que impere a consideração de fé. Senão, para que serve a fé? ( Fr. Raniero Cantalamessa, ofmcap )


Texto 2:


A cruz é o sinal dos cristãos e sinal do Deus vivo. "Não danifiqueis a terra nem o mar, nem as árvores, até que tenhamos assinalado os servos de nosso Deus em suas frontes" (Ap 7,3).

Esse sinal, o profeta Ezequiel já anunciava como sendo a cruz, o Tau. Quando Jerusalém mereceu o devido castigo pela idolatria cometida, esse profeta anunciou que Deus assinalou com a cruz os inocentes para protegê-los. "Percorre a cidade, o centro de Jerusalém, e marca com uma cruz na fronte os que gemem e suspiram devido a tantas abominações que na cidade se cometem" (Ez 9,5).

Desde que Jesus libertou a humanidade da morte, do pecado e das garras do demônio, a cruz salvífica passou a ser o símbolo da salvação. A festa em honra da santa cruz foi celebrada pela primeira vez em 13 de dezembro do ano 335, por ocasião da dedicação de duas basílicas de Constantino, em Jerusalém: do "Martyrium" ou "Ad Crucem" sobre o Gólgota; e a do "Anástasis", isto é, da Ressurreição.

Santa Helena, a mãe do imperador [Constantino], foi buscar a cruz de Cristo em Jerusalém. A partir do século VII, comemora-se a recuperação da preciosa relíquia por parte do imperador bizantino Heráclio em 628; pois a cruz de Cristo foi roubada 14 anos antes pelo rei persa Cosroe Parviz, durante a conquista da cidade Santa de Jerusalém.

Nesses dois mil anos, a cruz passou a ser o símbolo da vitória do bem sobre o mal, da justiça contra a injustiça, da liberdade contra a opressão, do amor contra o egoísmo, porque, no seu lenho, o Cristo pagou à Justiça Divina o preço infinito do resgate de toda a humanidade.

Em todas as épocas a santa cruz foi exaltada. O escritor cristão Tertuliano († 200) atesta: "Quando nos pomos a caminhar, quando saímos e entramos, quando nos vestimos, quando nos lavamos, quando iniciamos as refeições, quando vamos deitar, quando nos sentamos; nessas ocasiões e em todas as nossas demais atividades, persignamo-nos a testa com o sinal da cruz" (De corona militis 3).

São Hipólito de Roma (†235), descrevendo as práticas dos cristãos do século III, dizia: "Marcai com respeito as vossas cabeças com o sinal da Cruz. Este sinal da Paixão opõe-se ao diabo e nos protege dele se é feito com fé; não por ostentação, mas em virtude da convicção de que é um escudo protetor. É um sinal como outrora foi o Cordeiro verdadeiro; ao fazer o sinal da cruz na fonte e sobre os olhos, rechaçamos aquele que nos espreita para nos condenar” (Tradição dos Apóstolos 42).

Muitas pessoas importantes se valiam do sinal da Cruz em momentos de perigo, de decisão e na iminência da morte, como forma de alcançar a serenidade necessária em momentos cruciais. Os primeiros cristãos faziam o Sinal da Cruz a cada instante. Assim afirma São Basílio Magno (†369), doutor da Igreja: "Para os que põem sua esperança em Jesus Cristo, fazer o Sinal da Cruz é a primeira e mais conhecida coisa que entre nós se pratica". Santa Tecla, do primeiro século, ilustre por nascimento, foi agarrada pelos algozes e conduzida à fogueira; fez o Sinal da Cruz, entrou nela a passo firme e ficou tranqüila no meio das chamas. Logo uma torrente de água desabou e o fogo apagou. E a jovem heroína saiu da fogueira sem ter queimado um só fio de cabelo. Os santos não deixavam o Crucifixo; em muitas de suas imagens os vemos segurando o crucificado, porque no Cristo crucificado colocavam toda a sua segurança e esperança.

Em 1571, Dom João D'Áustria, antes de dar o sinal de ataque na Batalha de Lepanto, em que se decidia o futuro da cristandade diante dos turcos otomanos agressores, fez um grande e lento sinal da cruz repetido por todos os seus capitães e a vitória logo aconteceu. Por estes e outros exemplos, vemos quão poderosa oração é o sinal da cruz. De quantas graças nos enriquece esse sinal, e de quantos perigos preserva nossa frágil existência.

A cruz de Cristo vence o pecado. À vista d'Ele desaparece todo o pecado. Santa Joana d'Arc morreu na fogueira de Rouen, em 1431, injustamente, segurando um crucifixo, olhando-o e repetindo: "Jesus, Jesus, Jesus...".

Quando Dom Bosco se cansava das artes dos seus meninos e parecia querer desistir da missão, sua boa mãe, Margarida, apenas lhe mostrava o Cristo Crucificado e ele retomava sua luta em prol da juventude desvalida.

Mais do que nunca hoje, quando tantos perigos materiais e espirituais ameaçam a família, atacada de todos os lados pela imoralidade que campeia entre nós, é fundamental que as famílias cristãs entronizem a cruz de Cristo em seus lares, de maneira solene. Ela defenderá nossos filhos de tanta imoralidade.

Desta cruz nasceram os Sacramentos da Igreja, que nos salvam. Desta cruz sairá a força de que pais e mães precisam para educar os filhos na verdadeira fé do Cristo e da Igreja. Olhando a cada momento para o Cristo tão cruelmente crucificado, flagelado, coroado de espinhos, teremos força para vencer as lutas de cada dia.

Diante da cruz de Cristo o demônio não tem poder, porque ele foi nela vencido, acorrentado como um cão, como dizia Santo Agostinho. O exorcista, acima de tudo, empunha o crucifixo. Mais do que nunca hoje, quando as forças do mal querem arrancar o crucifixo de nossas ruas e praças, precisamos colocá-lo em nossas casas, também como prova de nossa fé.

A sua casa precisa ser protegida pela santa cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo!



Felipe Aquino

- Oração de bênção:

Pedir a bênção sinalizada na Santa Cruz: a vida venceu a morte, Jesus venceu Satanás e todos os demônios. Nele somos protegidos, redimidos, salvos. Oração em línguas... 

Com a mão sobre a cruz que se tem junto ao peito, pedir a proteção da salvação de Jesus. Como ela é um símbolo muito forte, o Diabo realmente tem medo da Cruz. Pedir a proteção de Jesus Redentor contra Satanás, todos seus embustes, pragas, maldiçoes e todos os outros tipos de males e inimigos visíveis ou invisíveis.

Cantar: Levanta- te Senhor. Saiam diante de ti teus inimigos...

O ministro estende as mãos e ministra uma oração de proteção, salvação e libertação sobre o povo.

Pedir para todos fazerem o sinal-da cruz com fé e devoção: pelo sinal da Santa Cruz. Livre-nos Deus Nosso Senhor, dos nossos inimigos. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Todos beijam a cruz, que carregarão no peito ou levarão para sua casa, local de trabalho, etc


xxx




4– Oração de São Bento


A Cruz Sagrada, seja a minha luz, não seja o dragão o meu guia, retira-te satanás, nunca me aconselhes coisas vãs, é mau o que tu me oferece, bebe tu mesmo do teu veneno. Amém. Eis a Cruz de Cristo, fugi potencias inimigas, venceu o Leão da Tribo de Judá, descendente de Davi Nosso Senhor Jesus Cristo. Venha a nós a vossa misericórdia. Como esperamos em Vós.


Nós te adoramos, ó Cristo e te bendizemos! Porque pela Santa Cruz Remistes o mundo.


VITÓRIA, TU REINARÁS Ó Cruz tu nos salvarás!

Brilhando sobre o mundo/ Que vive sem Tua luz/ Tu és um sol fecundo/ De amor e de paz, ó Cruz!

Aumenta a confiança/ Do pobre e do pecador/ Confirma nossa esperança/ Na marcha para o Senhor!

À sombra dos Teus braços/ A Igreja viverá/ Por Ti, no eterno abraço/ O Pai nos acolherá.

xxx


Cânticos:
SENHOR EU QUERO OBEDECER
À Tua voz/ Derrama o Teu Espírito sobre todos nós./ Senhor, eu quero mergulhar, me comprometer/ Entrar na intimidade, do Teu coração/ Derrama em nós Tua unção.

    Derrama o Teu amor aqui (2x)/ Faz chover sobre nós Água Viva. (bis)

    Uma Igreja renovada/ Povo Santo reunido,/ Famílias restauradas/ Pelo poder do Teu Espírito.





Deus esta aqui neste momento, sua presença é real em meu viver Entregue sua vida e seus problemas, fale com Deus, ele vai ajudar você Oh Deus lhe trouxe aqui Para aliviar os seus sofrimentosoh, oh, ele é autor da fé Do principio ao fim de todo esse momento

E ainda se vier Noites traiçoeiras se a cruz pesada for Cristo estará contigo e o mundo pode ate fazer você chora mas Deus te quer sorrindo

Sejam quais forem seus problemas, Fale com Deus, ele vai ajudar você Depois da dor vem sempre a alegria Fale com deus ele nao o deixará sofrer.



Água cristalina que jorra do peito aberto de Jesus lá na cruz. É uma água viva que cura e que liberta cujo a fonte é o próprio Jesus. Chue, chue! Chua, chua! Nesta água eu vou me banhar.



GLÓRIA PRA SEMPRE Ao Cordeiro de Deus/ A Jesus, o Senhor, ao Leão de Judá/ À raiz de Davi, que venceu e o livro abrirá. O céu e a terra e o mar/ E tudo o que neles há/ O adorarão e proclamarão/ Jesus Cristo é o Senhor!

Ele é o Senhor (2x)/ Ressurrecto dentre os mortos/ Ele é o Senhor/ Todo joelho se dobrará/ Toda língua proclamará/ Que Jesus Cristo é o Senhor!



É BÊNÇÃO Sobre bênção (2x)/ Vivendo cada dia no Senhor. Irmão você também/ É uma bênção para mim/ Que seria da minha vida, sem você aqui/ Aperte a minha mão/ Sinta meu coração bater/ Eu te amo porque vejo, Cristo em ti.



A cruz sagrada seja minha luz Não seja o dragão meu guia Que seja Jesus A cruz sagrada seja minha luz Não seja o dragão meu guia não Seja expulso inimigo de meu Deus Bebe tu mesmo os venenos teus Não me oferece coisas vãs não não É mal que tu me oferece Desaparece

Seja expulso inimigo de meu Deus Bebe tu mesmo os venenos teus

Então vem Senhor Jesus Vem com tua cruz Salvador seja minha luz Então vem Senhor Jesus Luta em meu lugar Redentor vem me libertar



CELEBRAI COM JÚBILO AO SENHOR

Todos os moradores da terra/ Servi ao

Senhor com alegria/ Apresentai-vos a Ele com cântico/ Sabei que o Senhor é bom/ E a sua misericórdia/ E a sua eterna bondade/ De geração a geração. Aleluia.


Bom siloé!

Pe. Marcos Oliveira

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


Campanha Missionária da Sagrada Família

Exaltação da Santa Cruz (16/09/11)



1 - Exaltação da Santa Cruz: entrada solene e jubilosa da cruz após homilia com cântico e velas. Cada pessoa erguer a sua cruz, simbolizando a sua missão, o seu compromisso na família, na Igreja e na sociedade... Unir cruz pessoal a cruz de Cristo





2 – Oração Aos pés da cruz após exaltação

Cântico:

. Remissão dos pecados / Lavados no Sangue do Cordeiro

. Libertação dos demônios, de toda influência, infestação, opressão, maldições, pragas e possessões

. Vitória da vida / oração de salvação, vida nova, ressurreição, vida em plenitude

. Entrega da vida: entregar aos pés da cruz a própria vida, a missão, os sacrifícios que devem ser assumidos pelo bem dos outros e de si mesmo, etc





3 – Bênção das cruzes dos fiéis após a oração pós-comunhão





3 – Em casa, no local de trabalho, no carro, no pescoço: Ler a formação e rezando a oração de São Bento que está no volante, entronizar a cruz e guardá-la com respeito





Pe. Marcos Oliveira