Páginas

29 de out de 2011

Kairós de Pacoti




Amanhã, 30 de outubro, será realizado o primeiro dos Kairós 2011, no Ginásio Poliesportivo de Pacoti.

Com total apoio da Paróquia N. Sra. da Conceição, na pessoa do Pe. João Mascarenhas, a programação está muito rica e será uma verdadeira festa da salvação.





O Senhor Jesus (Dominus Iesus), Aquele que é o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Princípio e o Fim, que se faz presente em nosso meio na Palavra e na Eucaristia, vai estabelecer o seu reinado de salvação nos corações, nas famílias e em todo o município.

Por intercessão de Nossa Senhora e de São Paulo, as bênçãos serão derramadas abundantemente e muitas pessoas serão resgatadas para uma vida nova na graça de Deus. Glórias a Ti, Dominus Iesus! Glórias a ti, Senhor Jesus!

Deus abençoe cada vez mais os discípulos de Pacoti, a fim de que continuem sendo abençoados que levam a bênção do Senhor. O bem que vocês estão fazendo são bênçãos de Jesus no poder do Espírito Santo. Daqui nos unimos com todos vocês e demais participantes do Kairós 2011, pois uma só fé nos une para além do limites geográficos.

E não esqueçam de gritar pra todo mundo ouvir: PACOTI PERTENCE AO SENHOR JESUS!

Feliz Kairós 2011!

Pe. Marcos Oliveira

19 de out de 2011

Noivos meditando com a Igreja sobre amor conjugal e paternidade responsável

Caríssimos noivos, tendo em vista que é chegada a hora do vosso matrimônio, início e fundamento de uma nova família cristã, vale lembrar que vocês dois são chamados ao amor conjugal e a defesa/perpetuação da vida humana.  Esta é a vossa vocação, este será o vosso estado de vida, aí vocês viverão a vossa primeira e principal missão: um consagrado para o outro, os dois consagrados para a família!



Na fidelidade a este chamado e a esta missão, vocês serão verdadeiramente felizes e ajudarão bastante no plano salvífico de Deus para a humanidade, que passa necessariamente pela família.



É muito oportuno que vocês rezem e meditem algumas palavras do Papa Paulo VI, na CARTA ENCÍCLICA HUMANAE VITAE SOBRE A REGULAÇÃO DA NATALIDADE:



(Alguns trechos da encíclica são mais difíceis. Porém, com calma e atenção, aos poucos vocês vão entendendo o ensino da Igreja, totalmente conforme a Palavra de Deus, a ética e a lei natural)





1. O gravíssimo dever de transmitir a vida humana, pelo qual os esposos são os colaboradores livres e responsáveis de Deus Criador, foi sempre para eles fonte de grandes alegrias, se bem que, algumas vezes, acompanhadas de não poucas dificuldades e angústias.

Em todos os tempos o cumprimento deste dever pôs à consciência dos cônjuges sérios problemas; mas, mais recentemente, com o desenvolver-se da sociedade, produziram-se modificações tais, que fazem aparecer questões novas que a Igreja não podia ignorar, tratando-se de matéria que tão de perto diz respeito à vida e à felicidade dos homens.



I. ASPECTOS NOVOS DO PROBLEMA E COMPETÊNCIA DO MAGISTÉRIO



Visão nova do problema



2. As mudanças que se verificaram foram efetivamente notáveis e de vários gêneros. Trata-se, antes de mais, do rápido desenvolvimento demográfico. Muitos são os que manifestam o receio de que a população mundial cresça mais rapidamente do que os recursos à sua disposição, com crescente angústia de tantas famílias e de povos em vias de desenvolvimento. De tal modo que é grande a tentação das Autoridades de contrapor a este perigo medidas radicais. Depois, as condições de trabalho e de habitação, do mesmo modo que as novas exigências, tanto no campo econômico como no da educação, não raro tornam hoje difícil manter convenientemente um número elevado de filhos.



Assiste-se também a uma mudança, tanto na maneira de considerar a pessoa da mulher e o seu lugar na sociedade, quanto no considerar o valor a atribuir ao amor conjugal no matrimônio, como ainda no apreço a dar ao significado dos atos conjugais, em relação com este amor.



Finalmente, deve-se sobretudo considerar que o homem fez progressos admiráveis no domínio e na organização racional das forças da natureza, de tal maneira que tende a tornar extensivo esse domínio ao seu próprio ser global: ao corpo, à vida psíquica, à vida social e até mesmo às leis que regulam a transmissão da vida.



3. O novo estado de coisas faz surgir novos quesitos. Assim, dadas as condições da vida hodierna e dado o significado que têm as relações conjugais para a harmonia entre os esposos e para a sua fidelidade mútua, não estaria indicada uma revisão das normas éticas vigentes até agora, sobretudo se se tem em consideração que elas não podem ser observadas sem sacrifícios, por vezes heróicos?



Mais ainda: estendendo o chamado "princípio de totalidade" a este campo, não se poderia admitir que a intenção de uma fecundidade menos exuberante, mas mais racionalizada, transforma a intervenção materialmente esterilizaste num sensato e legítimo controle dos nascimentos? Por outras palavras, não se poderia admitir que a fecundidade procriadora pertence ao conjunto da vida conjugal, mais do que a cada um dos seus atos? Pergunta-se também, se, dado o sentido de responsabilidade mais desenvolvido do homem moderno, não chegou para ele o momento de confiar à sua razão e à sua vontade, mais do que aos ritmos biológicos do seu organismo, a tarefa de transmitir a vida.



A competência do Magistério



4. Tais problemas exigiam do Magistério da Igreja uma reflexão nova e aprofundada sobre os princípios da doutrina moral do matrimônio: doutrina fundada sobre a lei natural, iluminada e enriquecida pela Revelação divina.



Nenhum fiel quererá negar que compete ao Magistério da Igreja interpretar também a lei moral natural. É incontestável, na verdade, como declararam muitas vezes os nossos predecessores, que Jesus Cristo, ao comunicar a Pedro e aos Apóstolos a sua autoridade divina e ao enviá-los a ensinar a todos os povos os seus mandamentos, os constituía guardas e intérpretes autênticos de toda a lei moral, ou seja, não só da lei evangélica, como também da natural, dado que ela é igualmente expressão da vontade divina e que a sua observância é do mesmo modo necessária para a salvação.



Em conformidade com esta sua missão, a Igreja apresentou sempre, e mais amplamente em tempos recentes, um ensino coerente, tanto acerca da natureza do matrimônio, como acerca do reto uso dos direitos conjugais e acerca dos deveres dos cônjuges.



Estudos especiais



5. A consciência desta mesma missão levou-nos a confirmar e a ampliar a Comissão de Estudo, que o nosso predecessor, de venerável memória, João XXIII tinha constituído, em março de 1963. Esta Comissão, que incluía também alguns casais de esposos, além de muitos estudiosos das várias matérias pertinentes, tinha por finalidade: primeiro, recolher opiniões sobre os novos problemas respeitantes à vida conjugal e, em particular, à regulação da natalidade; e depois, fornecer os elementos oportunos de informação, para que o Magistério pudesse dar uma resposta adequada à expectativa não só dos fiéis, mas mesmo da opinião pública mundial.



Os trabalhos destes peritos, assim como os pareceres e os conselhos que se lhes vieram juntar, enviados espontaneamente ou adrede solicitados, de bom número dos nossos irmãos no episcopado, permitiram-nos ponderar melhor todos os aspectos deste assunto complexo. Por isso, do fundo do coração, exprimimos a todos o nosso vivo reconhecimento.



A resposta do Magistério



6. As conclusões a que tinha chegado a Comissão não podiam, contudo, ser consideradas por nós como definitivas, nem dispensar-nos de um exame pessoal do grave problema; até mesmo porque, no seio da própria Comissão, não se tinha chegado a um pleno acordo de juízos, acerca das normas morais que se deviam propor e, sobretudo, porque tinham aflorado alguns critérios de soluções que se afastavam da doutrina moral sobre o matrimônio, proposta com firmeza constante, pelo Magistério da Igreja.



Por isso, depois de termos examinado atentamente a documentação que nos foi preparada, depois de aturada reflexão e de insistentes orações, é nossa intenção agora, em virtude do mandato que nos foi confiado por Cristo, dar a nossa resposta a estes graves problemas.



II. PRINCÍPIOS DOUTRINAIS



Uma visão global do homem



7. O problema da natalidade, como de resto qualquer outro problema que diga respeito à vida humana, deve ser considerado numa perspectiva que transcenda as vistas parciais - sejam elas de ordem biológica, psicológica, demográfica ou sociológica - à luz da visão integral do homem e da sua vocação, não só natural e terrena, mas também sobrenatural e eterna. E, porque na tentativa de justificar os métodos artificiais de limitação dos nascimentos, houve muito quem fizesse apelo para as exigências, tanto do amor conjugal como de uma "paternidade responsável", convém precisar bem a verdadeira concepção destas duas grandes realidades da vida matrimonial, atendo-nos principalmente a tudo aquilo que, a este propósito, foi recentemente exposto, de forma altamente autorizada, pelo Concílio Ecumênico Vaticano II, na Constituição Pastoral "Gaudium et Spes".



O amor conjugal



8. O amor conjugal exprime a sua verdadeira natureza e nobreza, quando se considera na sua fonte suprema, Deus que é Amor, "o Pai, do qual toda a paternidade nos céus e na terra toma o nome".



O matrimônio não é, portanto, fruto do acaso, ou produto de forças naturais inconscientes: é uma instituição sapiente do Criador, para realizar na humanidade o seu desígnio de amor. Mediante a doação pessoal recíproca, que lhes é própria e exclusiva, os esposos tendem para a comunhão dos seus seres, em vista de um aperfeiçoamento mútuo pessoal, para colaborarem com Deus na geração e educação de novas vidas.

Depois, para os batizados, o matrimônio reveste a dignidade de sinal sacramental da graça, enquanto representa a união de Cristo com a Igreja.



AS CARACTERÍSTICAS DO AMOR CONJUGAL



9. Nesta luz aparecem-nos claramente as notas características do amor conjugal, acerca das quais é da máxima importância ter uma idéia exata.



É, antes de mais, um amor plenamente humano, quer dizer, ao mesmo tempo espiritual e sensível. Não é, portanto, um simples ímpeto do instinto ou do sentimento; mas é também, e principalmente, ato da vontade livre, destinado a manter-se e a crescer, mediante as alegrias e as dores da vida cotidiana, de tal modo que os esposos se tornem um só coração e uma só alma e alcancem juntos a sua perfeição humana.



É depois, um amor total, quer dizer, uma forma muito especial de amizade pessoal, em que os esposos generosamente compartilham todas as coisas, sem reservas indevidas e sem cálculos egoístas. Quem ama verdadeiramente o próprio consorte, não o ama somente por aquilo que dele recebe, mas por ele mesmo, por poder enriquecê-lo com o dom de si próprio.



É, ainda, amor fiel e exclusivo, até à morte. Assim o concebem, efetivamente, o esposo e a esposa no dia em que assumem, livremente e com plena consciência, o compromisso do vínculo matrimonial. Fidelidade que por vezes pode ser difícil; mas que é sempre nobre e meritória, ninguém o pode negar. O exemplo de tantos esposos, através dos séculos, demonstra não só que ela é consentânea com a natureza do matrimônio, mas que é dela, como de fonte, que flui uma felicidade íntima e duradoura.



É, finalmente, amor fecundo que não se esgota na comunhão entre os cônjuges, mas que está destinado a continuar-se, suscitando novas vidas. "O matrimônio e o amor conjugal estão por si mesmos ordenados para a procriação e educação dos filhos. Sem dúvida, os filhos são o dom mais excelente do matrimônio e contribuem grandemente para o bem dos pais".



10. Sendo assim, o amor conjugal requer nos esposos uma consciência da sua missão de "paternidade responsável", sobre a qual hoje tanto se insiste, e justificadamente, e que deve também ser compreendida com exatidão. De fato, ela deve ser considerada sob diversos aspectos legítimos e ligados entre si.



Em relação com os processos biológicos, paternidade responsável significa conhecimento e respeito pelas suas funções: a inteligência descobre, no poder de dar a vida, leis biológicas que fazem parte da pessoa humana.



Em relação às tendências do instinto e das paixões, a paternidade responsável significa o necessário domínio que a razão e a vontade devem exercer sobre elas.



Em relação às condições físicas, econômicas, psicológicas e sociais, a paternidade responsável exerce-se tanto com a deliberação ponderada e generosa de fazer crescer uma família numerosa, como com a decisão, tomada por motivos graves e com respeito pela lei moral, de evitar temporariamente, ou mesmo por tempo indeterminado, um novo nascimento.



Paternidade responsável comporta ainda, e principalmente, uma relação mais profunda com a ordem moral objetiva, estabelecida por Deus, de que a consciência reta é intérprete fel. O exercício responsável da paternidade implica, portanto, que os cônjuges reconheçam plenamente os próprios deveres, para com Deus, para consigo próprios, para com a família e para com a sociedade, numa justa hierarquia de valores.



Na missão de transmitir a vida, eles não são, portanto, livres para procederem a seu próprio bel-prazer, como se pudessem determinar, de maneira absolutamente autônoma, as vias honestas a seguir, mas devem, sim, conformar o seu agir com a intenção criadora de Deus, expressa na própria natureza do matrimônio e dos seus atos e manifestada pelo ensino constante da Igreja.



Respeitar a natureza e a finalidade do ato matrimonial



11. Estes atos, com os quais os esposos se unem em casta intimidade e através dos quais se transmite a vida humana, são, como recordou o recente Concílio, "honestos e dignos"; e não deixam de ser legítimos se, por causas independentes da vontade dos cônjuges, se prevê que vão ser infecundos, pois que permanecem destinados a exprimir e a consolidar a sua união. De fato, como o atesta a experiência, não se segue sempre uma nova vida a cada um dos atos conjugais. Deus dispôs com sabedoria leis e ritmos naturais de fecundidade, que já por si mesmos distanciam o suceder-se dos nascimentos. Mas, chamando a atenção dos homens para a observância das normas da lei natural, interpretada pela sua doutrina constante, a Igreja ensina que qualquer ato matrimonial deve permanecer aberto à transmissão da vida.



Inseparáveis os dois aspectos: união e procriação



12. Esta doutrina, muitas vezes exposta pelo Magistério, está fundada sobre a conexão inseparável que Deus quis e que o homem não pode alterar por sua iniciativa, entre os dois significados do ato conjugal: o significado unitivo e o significado procriador.

Na verdade, pela sua estrutura íntima, o ato conjugal, ao mesmo tempo que une profundamente os esposos, torna-os aptos para a geração de novas vidas, segundo leis inscritas no próprio ser do homem e da mulher. Salvaguardando estes dois aspectos essenciais, unitivo e procriador, o ato conjugal conserva integralmente o sentido de amor mútuo e verdadeiro e a sua ordenação para a altíssima vocação do homem para a paternidade. Nós pensamos que os homens do nosso tempo estão particularmente em condições de apreender o caráter profundamente razoável e humano deste princípio fundamental.



Fidelidade ao desígnio divino



13. Em boa verdade, justamente se faz notar que um ato conjugal imposto ao próprio cônjuge, sem consideração pelas suas condições e pelos seus desejos legítimos, não é um verdadeiro ato de amor e nega, por isso mesmo, uma exigência da reta ordem moral, nas relações entre os esposos. Assim, quem refletir bem, deverá reconhecer de igual modo que um ato de amor recíproco, que prejudique a disponibilidade para transmitir a vida que Deus Criador de todas as coisas nele inseriu segundo leis particulares, está em contradiçâo com o desígnio constitutivo do casamento e com a vontade do Autor da vida humana. Usar deste dom divino, destruindo o seu significado e a sua finalidade, ainda que só parcialmente, é estar em contradição com a natureza do homem, bem como com a da mulher e da sua relação mais íntima; e, por conseguinte, é estar em contradição com o plano de Deus e com a sua vontade. Pelo contrário, usufruir do dom do amor conjugal, respeitando as leis do processo generativo, significa reconhecer-se não árbitros das fontes da vida humana, mas tão somente administradores dos desígnios estabelecidos pelo Criador. De fato, assim como o homem não tem um domínio ilimitado sobre o próprio corpo em geral, também o não tem, com particular razão, sobre as suas faculdades geradoras enquanto tais, por motivo da sua ordenação intrínseca para suscitar a vida, da qual Deus é princípio. "A vida humana é sagrada, recordava João XXIII; desde o seu alvorecer compromete diretamente a ação criadora de Deus"(13).



Vias ilícitas para a regulação dos nascimentos



14. Em conformidade com estes pontos essenciais da visão humana e cristã do matrimônio, devemos, uma vez mais, declarar que é absolutamente de excluir, como via legítima para a regulação dos nascimentos, a interrupção direta do processo generativo já iniciado, e, sobretudo, o aborto querido diretamente e procurado, mesmo por razões terapêuticas.



É de excluir de igual modo, como o Magistério da Igreja repetidamente declarou, a esterilização direta, quer perpétua quer temporária, tanto do homem como da mulher.



É, ainda, de excluir toda a ação que, ou em previsão do ato conjugal, ou durante a sua realização, ou também durante o desenvolvimento das suas conseqüências naturais, se proponha, como fim ou como meio, tornar impossível a procriação.



Não se podem invocar, como razões válidas, para a justificação dos atos conjugais tornados intencionalmente infecundos, o mal menor, ou o fato de que tais atos constituiriam um todo com os atos fecundos, que foram realizados ou que depois se sucederam, e que, portanto, compartilhariam da única e idêntica bondade moral dos mesmos. Na verdade, se é lícito, algumas vezes, tolerar o mal menor para evitar um mal maior, ou para promover um bem superior, nunca é lícito, nem sequer por razões gravíssimas, fazer o mal, para que daí provenha o bem; isto é, ter como objeto de um ato positivo da vontade aquilo que é intrinsecamente desordenado e, portanto, indigno da pessoa humana, mesmo se for praticado com intenção de salvaguardar ou promover bens individuais, familiares, ou sociais. É um erro, por conseguinte, pensar que um ato conjugal, tornado voluntariamente infecundo, e por isso intrinsecamente desonesto, possa ser coonestado pelo conjunto de uma vida conjugal fecunda.



Liceidade dos meios terapêuticos



15. A Igreja, por outro lado, não considera ilícito o recurso aos meios terapêuticos, verdadeiramente necessários para curar doenças do organismo, ainda que daí venha a resultar um impedimento, mesmo previsto, à procriação, desde que tal impedimento não seja, por motivo nenhum, querido diretamente.



Liceidade do recurso aos períodos infecundos



16. Contra estes ensinamentos da Igreja, sobre a moral conjugal, objeta-se hoje, como já fizemos notar mais acima (n. 3), que é prerrogativa da inteligência humana dominar as energias proporcionadas pela natureza irracional e orientá-las para um fim conforme com o bem do homem. Ora, sendo assim, perguntam-se alguns, se atualmente não será talvez razoável em muitas circunstâncias recorrer à regulação artificial dos nascimentos, uma vez que, com isso, se obtém a harmonia e a tranqüilidade da família e melhores condições para a educação dos filhos já nascidos. A este quesito é necessário responder com clareza: a Igreja é a primeira a elogiar e a recomendar a intervenção da inteligência, numa obra que tão de perto associa a criatura racional com o seu Criador; mas, afirma também que isso se deve fazer respeitando sempre a ordem estabelecida por Deus.

Se, portanto, existem motivos sérios para distanciar os nascimentos, que derivem ou das condições físicas ou psicológicas dos cônjuges, ou de circunstâncias exteriores, a Igreja ensina que então é lícito ter em conta os ritmos naturais imanentes às funções geradoras, para usar do matrimônio só nos períodos infecundos e, deste modo, regular a natalidade, sem ofender os princípios morais que acabamos de recordar.



A Igreja é coerente consigo própria, quando assim considera lícito o recurso aos períodos infecundos, ao mesmo tempo que condena sempre como ilícito o uso dos meios diretamente contrários à fecundação, mesmo que tal uso seja inspirado em razões que podem aparecer honestas e sérias. Na realidade, entre os dois casos existe uma diferença essencial: no primeiro, os cônjuges usufruem legitimamente de uma disposição natural; enquanto que no segundo, eles impedem o desenvolvimento dos processos naturais. É verdade que em ambos os casos os cônjuges estão de acordo na vontade positiva de evitar a prole, por razões plausíveis, procurando ter a segurança de que ela não virá; mas, é verdade também que, somente no primeiro caso eles sabem renunciar ao uso do matrimônio nos períodos fecundos, quando, por motivos justos, a procriação não é desejável, dele usando depois nos períodos agenésicos, como manifestação de afeto e como salvaguarda da fidelidade mútua.



Procedendo assim, eles dão prova de amor verdadeira e integralmente honesto.



Graves conseqüências dos métodos de regulação artificial da natalidade



17. Os homens retos poderão convencer-se ainda mais da fundamentação da doutrina da Igreja neste campo, se quiserem refletir nas conseqüências dos métodos da regulação artificial da natalidade. Considerem, antes de mais, o caminho amplo e fácil que tais métodos abririam à infïdelidade conjugal e à degradação da moralidade. Não é preciso ter muita experiência para conhecer a fraqueza humana e para compreender que os homens - os jovens especialmente, tão vulneráveis neste ponto - precisam de estímulo para serem féis à lei moral e não se lhes deve proporcionar qualquer meio fácil para eles eludirem a sua observância. É ainda de recear que o homem, habituando-se ao uso das práticas anticoncepcionais, acabe por perder o respeito pela mulher e, sem se preocupar mais com o equilíbrio físico e psicológico dela, chegue a considerá-la como simples instrumento de prazer egoísta e não mais como a sua companheira, respeitada e amada.



Pense-se ainda seriamente na arma perigosa que se viria a pôr nas mãos de autoridades públicas, pouco preocupadas com exigências morais. Quem poderia reprovar a um governo o fato de ele aplicar à solução dos problemas da coletividade aquilo que viesse a ser reconhecido como lícito aos cônjuges para a solução de um problema familiar? Quem impediria os governantes de favorecerem e até mesmo de imporem às suas populações, se o julgassem necessário, o método de contracepção que eles reputassem mais eficaz?



Deste modo, os homens, querendo evitar dificuldades individuais, familiares, ou sociais, que se verificam na observância da lei divina, acabariam por deixar à mercê da intervenção das autoridades públicas o setor mais pessoal e mais reservado da intimidade conjugal.



Portanto, se não se quer expor ao arbítrio dos homens a missão de gerar a vida, devem-se reconhecer necessariamente limites intransponíveis no domínio do homem sobre o próprio corpo e as suas funções; limites que a nenhum homem, seja ele simples cidadão privado, ou investido de autoridade, é lícito ultrapassar. E esses mesmos limites não podem ser determinados senão pelo respeito devido à integridade do organismo humano e das suas funções naturais, segundo os princípios acima recordados e segundo a reta inteligência do "princípio de totalidade", ilustrado pelo nosso predecessor Pio XII.



A Igreja, garantia dos autênticos valores humanos



18. É de prever que estes ensinamentos não serão, talvez, acolhidos por todos facilmente: são muitas as vozes, amplificadas pelos meios modernos de propaganda, que estão em contraste com a da Igreja. A bem dizer a verdade, esta não se surpreende de ser, à semelhança do seu divino fundador, "objeto de contradição"; mas, nem por isso ela deixa de proclamar, com humilde firmeza, a lei moral toda, tanto a natural como a evangélica.



A Igreja não foi a autora dessa lei e não pode portanto ser árbitra da mesma; mas, somente depositária e intérprete, sem nunca poder declarar lícito aquilo que o não é, pela sua íntima e imutável oposição ao verdadeiro bem comum do homem.



Ao defender a moral conjugal na sua integridade, a Igreja sabe que está contribuindo para a instauração de uma civilização verdadeiramente humana; ela compromete o homem para que este não abdique da própria responsabilidade, para submeter-se aos meios da técnica; mais, ela defende com isso a dignidade dos cônjuges. Fiel aos ensinamentos e ao exemplo do Salvador, ela mostra-se amiga sincera e desinteressada dos homens, aos quais quer ajudar, agora já, no seu itinerário terrestre, "a participarem como filhos na vida do Deus vivo, Pai de todos os homens".



III. DIRETIVAS PASTORAIS



A Igreja, Mãe e Mestra



19. A nossa palavra não seria a expressão adequada do pensamento e das solicitudes da Igreja, Mãe e Mestra de todos os povos, se, depois de termos assim chamado os homens à observância e respeito da lei divina, no que se refere ao matrimônio, ela os não confortasse no caminho de uma regulação honesta da natalidade, não obstante as difíceis condições que hoje afligem as famílias e as populações. A Igreja, de fato, não pode adotar para com os homens uma atitude diferente da do Redentor: conhece as suas fraquezas, tem compaixão das multidões, acolhe os pecadores, mas não pode renunciar a ensinar a lei que na realidade é própria de uma vida humana, restituída à sua verdade originária e conduzida pelo Espírito de Deus.



Possibilidade de observância da lei divina



20. A doutrina da Igreja sobre a regulação dos nascimentos, que promulga a lei divina, parecerá, aos olhos de muitos, de difícil, ou mesmo de impossível atuação. Certamente que, como todas as realidades grandiosas e benéficas, ela exige um empenho sério e muitos esforços, individuais, familiares e sociais. Mais ainda: ela não seria de fato viável sem o auxílio de Deus, que apóia e corrobora a boa vontade dos homens. Mas, para quem refletir bem, não poderá deixar de aparecer como evidente que tais esforços são nobilitantes para o homem e benéficos para a comunidade humana.



Domínio de si mesmo



21. Uma prática honesta da regulação da natalidade exige, acima de tudo, que os esposos adquiram sólidas convicções acerca dos valores da vida e da família e que tendam a alcançar um perfeito domínio de si mesmos. O domínio do instinto, mediante a razão e a vontade livre, impõe, indubitavelmente, uma ascese, para que as manifestações afetivas da vida conjugal sejam conformes com a ordem reta e, em particular, concretiza-se essa ascese na observância da continência periódica. Mas, esta disciplina, própria da pureza dos esposos, longe de ser nociva ao amor conjugal, confere-lhe pelo contrário um valor humano bem mais elevado. Requer um esforço contínuo, mas, graças ao seu benéfico influxo, os cônjuges desenvolvem integralmente a sua personalidade, enriquecendo-se de valores espirituais: ela acarreta à vida familiar frutos de serenidade e de paz e facilita a solução de outros problemas; favorece as atenções dos cônjuges, um para com o outro, ajuda-os a extirpar o egoísmo, inimigo do verdadeiro amor e enraíza-os no seu sentido de responsabilidade no cumprimento de seus deveres. Além disso, os pais adquirem com ela a capacidade de uma influência mais profunda e eficaz para educarem os filhos; as crianças e a juventude crescem numa estima exata dos valores humanos e num desenvolvimento sereno e harmônico das suas faculdades espirituais e sensitivas.



Criar um ambiente favorável à castidade



22. Queremos nesta altura chamar a atenção dos educadores e de todos aqueles que desempenham tarefas de responsabilidade em ordem ao bem comum da convivência humana, para a necessidade de criar um clima favorável à educação para a castidade, isto é, ao triunfo da liberdade sã sobre a licenciosidade, mediante o respeito da ordem moral.

Tudo aquilo que nos modernos meios de comunicação social leva à excitação dos sentidos, ao desregramento dos costumes, bem como todas as formas de pornografia ou de espetáculos licenciosos, devem suscitar a reação franca e unanime de todas as pessoas solícitas pelo progresso da civilização e pela defesa dos bens do espírito humano. Em vão se procurará justificar estas depravações, com pretensas exigências artísticas ou científicas, ou tirar partido, para argumentar, da liberdade deixada neste campo por parte das autoridades públicas.



APELO AOS GOVERNANTES



23. Nós queremos dizer aos governantes, que são os principais responsáveis pelo bem comum e que dispõem de tantas possibilidades para salvaguardar os costumes morais: não permitais que se degrade a moralidade das vossas populações; não admitais que se introduzam legalmente, naquela célula fundamental que é a família, práticas contrárias à lei natural e divina. Existe uma outra via, pela qual os Poderes públicos podem e devem contribuir para a solução do problema demográfico: é a via de uma política familiar providente, de uma sábia educação das populações, que respeite a lei moral e a liberdade dos cidadãos.



Estamos absolutamente cônscios das graves dificuldades em que se encontram os Poderes públicos a este respeito, especialmente nos países em vias de desenvolvimento. Dedicamos mesmo às suas preocupações legítimas a nossa Encíclica "Populorum Progressio". Mas, com o nosso predecessor João XXIII, repetimos: "...Estas dificuldades não se podem vencer recorrendo a métodos e meios que são indignos do homem e que só encontram a sua explicação num conceito estritamente materialista do mesmo homem e da vida. A verdadeira solução encontra-se somente num progresso econômico e social que respeite e fomente os genuínos valores humanos, individuais e sociais". Nem se poderá, ainda, sem injustiça grave, tornar a Providência divina responsável por aquilo que, bem ao contrário, depende de menos sensatez de governo, de um insuficiente sentido da justiça social, de monopólios egoístas, ou também de reprovável indolência no enfrentar os esforços e os sacrifícios necessários para garantir a elevação do nível de vida de uma população e de todos os seus membros. Que todos os poderes responsáveis, como alguns louvavelmente já vem fazendo, reavivem os seus esforços, que não se deixe de ampliar o auxílio mútuo entre todos os membros da grande família humana: é um campo ilimitado este que se abre assim à atividade das grandes organizações internacionais.



AOS HOMENS DE CIÊNCIA



24. Queremos agora exprimir o nosso encorajamento aos homens de ciência, os quais "podem dar um contributo grande para o bem do matrimônio e da família e para a paz das consciências, se se esforçarem por esclarecer mais profundamente, com estudos convergentes, as diversas condições favoráveis a uma honesta regulação da procriação humana". É para desejar muito particularmente que, segundo os votos já expressos pelo nosso predecessor Pio XII, a ciência médica consiga fornecer uma base suficientemente segura para a regulação dos nascimentos, fundada na observância dos ritmos naturais. Assim, os homens de ciência, e de modo especial os cientistas católicos, contribuirão para demonstrar que, como a Igreja ensina, "não pode haver contradição verdadeira entre as leis divinas que regem a transmissão da vida e as que favorecem o amor conjugal autêntico".



AOS ESPOSOS CRISTÃOS



25. E agora a nossa palavra dirige-se mais diretamente aos nossos filhos, particularmente àqueles que Deus chamou para servi-lo no matrimônio. A Igreja, ao mesmo tempo que ensina as exigências imprescritíveis da lei divina, anuncia a salvação e abre, com os sacramentos, os caminhos da graça, a qual faz do homem uma nova criatura, capaz de corresponder, no amor e na verdadeira liberdade, aos desígnios do seu Criador e Salvador e de achar suave o jugo de Cristo.



Os esposos cristãos, portanto, dóceis à sua voz, lembrem-se de que a sua vocação cristã, iniciada com o Batismo, se especificou ulteriormente e se reforçou com o sacramento do Matrimônio. Por ele os cônjuges são fortalecidos e como que consagrados para o cumprimento fiel dos próprios deveres e para a atuação da própria vocação para a perfeição e para o testemunho cristão próprio deles, que têm de dar frente ao mundo. Foi a eles que o Senhor confiou a missão de tornarem visível aos homens a santidade e a suavidade da lei que une o amor mútuo dos esposos com a sua cooperação com o amor de Deus, autor da vida humana.



Não pretendemos, evidentemente, esconder as dificuldades, por vezes graves, inerentes à vida dos cônjuges cristãos: para eles, como para todos, de resto, "é estreita a porta e apertado o caminho que conduz à vida". Mas, a esperança desta vida, precisamente, deve iluminar o seu caminho, enquanto eles corajosamente se esforçam por "viver com sabedoria, justiça e piedade no tempo presente", sabendo que "a figura deste mundo passa".



Os esposos, pois, envidem os esforços necessários, apoiados na fé e na esperança que "não desilude, porque o amor de Deus foi derramado nos nossos corações, pelo Espírito que nos foi dado"; implorem com oração perseverante o auxílio divino; abeirem-se, sobretudo pela Santíssima Eucaristia, da fonte de graça e da caridade. E se, porventura, o pecado vier a vencê-los, não desanimem, mas recorram com perseverança humilde à misericórdia divina, que é outorgada no sacramento da Penitência. Assim, poderão realizar a plenitude da vida conjugal, descrita pelo Apóstolo: "Maridos, amai as vossas mulheres tal como Cristo amou a Igreja (...) Os maridos devem amar as suas mulheres como os seus próprios corpos. Aquele que ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. Porque ninguém aborreceu jamais a própria carne, mas nutre-a e cuida dela, como também Cristo o faz com a sua Igreja (...) Este mistério é grande, mas eu digo isto quanto a Cristo e à Igreja. Mas, por aquilo que vos diz respeito, cada um de vós ame a sua mulher como a si mesmo; a mulher, por sua vez, reverencie o seu marido".



APOSTOLADO NOS LARES



26. Entre os frutos que maturam mediante um esforço generoso de fidelidade à lei divina, um dos mais preciosos é que os cônjuges mesmos, não raro, experimentam o desejo de comunicar a outros a sua experiência. Deste modo, resulta que vem inserir-se no vasto quadro da vocação dos leigos uma forma nova e importantíssima de apostolado, do semelhante, por parte do seu semelhante: são os próprios esposos que assim se tornam apóstolos e guias de outros esposos. Esta é, sem dúvida, entre tantas outras formas de apostolado, uma daquelas que hoje em dia se apresenta como sendo das mais oportunas.



AOS MÉDICOS E AO PESSOAL SANITÁRIO



27. Temos em altíssima estima os médicos e os demais membros do pessoal sanitário, aos quais estão a caráter, acima de todos os outros interesses humanos, as exigências superiores da sua vocação cristã. Perseverem, pois, no propósito de promoverem, em todas as circunstâncias, as soluções inspiradas na fé e na reta razão e esforcem-se por suscitar a convicção e o respeito no seu ambiente. Considerem depois, ainda, como dever profissional próprio, o de adquirirem toda a ciência necessária, neste campo delicado, para poderem dar aos esposos, que porventura os venham consultar, aqueles conselhos sensatos e aquelas sãs diretrizes, que estes, com todo o direito, esperam deles.



AOS SACERDOTES



28. Diletos filhos sacerdotes, que por vocação sois os conselheiros e guias espirituais das pessoas e das famílias, dirigimo-nos agora a vós, com confiança. A vossa primeira tarefa - especialmente para os que ensinam a teologia moral - é expor, sem ambigüidades, os ensinamentos da Igreja acerca do matrimônio. Sede, pois, os primeiros a dar exemplo, no exercício do vosso ministério, de leal acatamento, interno e externo, do Magistério da Igreja. Tal atitude obsequiosa, bem o sabeis, é obrigatória não só em virtude das razões aduzidas, mas sobretudo por motivo da luz do Espírito Santo, da qual estão particularmente dotados os Pastores da Igreja, para ilustrarem a verdade. Sabeis também que é da máxima importância, para a paz das consciências e para a unidade do povo cristão, que, tanto no campo da moral como no do dogma, todos se atenham ao Magistério da Igreja e falem a mesma linguagem. Por isso, com toda a nossa alma, vos repetimos o apelo do grande Apóstolo São Paulo: "Rogo-vos, irmãos, pelo nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos o mesmo e que entre vós não haja divisões, mas que estejais todos unidos, no mesmo espírito e no mesmo parecer".



29. Não minimizar em nada a doutrina salutar de Cristo é forma de caridade eminente para com as almas. Mas, isso deve andar sempre acompanhado também de paciência e de bondade, de que o mesmo Senhor deu o exemplo, ao tratar com os homens. Tendo vindo para salvar e não para julgar, Ele foi intransigente com o mal, mas misericordioso para com os homens.



No meio das suas dificuldades, que os cônjuges encontrem sempre na palavra e no coração do sacerdote o eco fiel da voz e do amor do Redentor.



Falai, pois, com confiança, diletos Filhos, bem convencidos de que o Espírito de Deus, ao mesmo tempo que assiste o Magistério no propor a doutrina, ilumina também internamente os corações dos fiéis, convidando-os a prestar-lhe o seu assentimento. Ensinai aos esposos o necessário caminho da oração, preparai-os para recorrerem com freqüência e com fé aos sacramentos da Eucaristia e da Penitência, sem se deixarem jamais desencorajar pela sua fraqueza.



AOS BISPOS



30. Queridos e Veneráveis Irmãos no Episcopado, com quem compartilhamos mais de perto a solicitude pelo bem espiritual do Povo de Deus, para vós vai o nosso pensamento reverente e afetuoso, ao terminarmos esta Encíclica. A todos queremos dirigir um convite insistente. À frente dos vossos sacerdotes, vossos colaboradores, e dos vossos fiéis, trabalhai com afinco e sem tréguas na salvaguarda e na santificação do matrimônio, para que ele seja sempre e cada vez mais, vivido em toda a sua plenitude humana e cristã. Considerai esta missão como uma das vossas responsabilidades mais urgentes, na hora atual. Ela envolve, como sabeis, uma ação pastoral coordenada, em todos os campos da atividade humana, econômica, cultural e social: só uma melhoria simultânea nestes diversos setores poderá tornar, não só tolerável, mas mais fácil e serena a vida dos pais e dos filhos no seio das famílias, mais fraterna e pacífica a convivência na sociedade humana, na fidelidade aos desígnios de Deus sobre o mundo.



APELO FINAL



31. Veneráveis Irmãos, diletíssimos Filhos e vós todos, homens de boa vontade: é grandiosa a obra à qual vos chamamos, obra de educação, de progresso e de amor, assente sobre o fundamento dos ensinamentos da Igreja, dos quais o sucessor de Pedro, com os seus Irmãos no Episcopado, é depositário e intérprete. Obra grandiosa, na verdade, para o mundo e para a Igreja, temos disso a convicção íntima, visto que o homem não poderá encontrar a verdadeira felicidade, à qual aspira com todo o seu ser, senão no respeito pelas leis inscritas por Deus na sua natureza e que ele deve observar com inteligência e com amor. Sobre esta obra nós invocamos, assim como sobre todos vós, e de um modo especial sobre os esposos, a abundância das graças do Deus de santidade e de misericórdia, em penhor das quais vos damos a nossa bênção apostólica.



Dada em Roma, junto de São Pedro, na Festa de São Tiago Apóstolo, 25 de julho do ano de 1968, sexto do nosso pontificado.



PAULUS PP. VI



xxx



Desta forma, orientados pela Igreja de Jesus, de quem Ele disse, “quem vos escuta a mim escuta”, vocês possam ir adiante no caminho do noivado rumo ao matrimônio cristão, sabendo que o nome do amor no tempo é fidelidade. E nunca esqueçam que Deus já enxerga o desejo sincero do vosso coração, os passos que estão sendo dados e vos abençoará abundantemente, pois Ele é Fiel!



Fraternalmente,



Pe. Marcos Oliveira



Atenção: em um outro momento vamos fazer uma postagem sobre paternidade responsável e método natural de planejamento familiar (tabelinha).

18 de out de 2011

Encontro de Aliança 24-10-11

Bom dia DCAs e Vocacionados!



Dia 24 de outubro, às 19h, conforme nossos Estatutos, teremos o Encontro de Aliança por sub-fraternidades. (Cada qual na sede do seu respectivo organismo)



A título de lembrete, cada DCA participará da sub-fraternidade de aliança do organismo no qual está servindo, considerando a seguinte ordem de prioridade: DJC Local, Específico Geral e Missão.



O encontro de aliança por sub-fraternidade é fechado, ou seja, exclusivo para os DCAs que estão servindo no organismo. 



É um encontro dirigido pelo DCA responsável pelo organismo e serve para oração, irmandade, partilha, encaminhamentos do organismo e prestação de contas.



Quando o tesoureiro local não é DCA, a prestação de contas do mês anterior deve ser repassada para o DCA responsável pelo organismo, que por sua vez fará a prestação de contas junto aos demais DCAs.



Quanto aos Vocacionados, estes não deverão participar deste encontro por sub-fraternidade. Para tanto, devem verificar as orientações da Lidiane no blog do Ministério Geral das Vocações e estudar o capítulo do mês a sós ou em companhia de outros vocacionados.



Graça e Paz!



Pe. Marcos Oliveira

15 de out de 2011

Orientações para o Ministério geral de Loja do DJC


Preços das Publicações do Discipulado:

Manual Identidade DJC

Pe. Marcos Oliveira

R$ 5,00



Temários de Meditação Orante da Palavra de Deus

Formações Cristãs



T0 - Reavivamento no Espírito Santo (Pe. Marcos)

R$ 9,00



T1 - Irmanação (Pe. Marcos)

R$ 6,00



T2 - Oração Cristã (Pe. Marcos)

R$ 8,00



T3 - Oração de Bênção (Pe. Marcos)

R$ 8,00



T4 - Carismas do Espírito (Leila - em preparação)



T5 - Frutos do Espírito (Edilma - em preparação)



T6 - Serviços do Espírito (Edmar - em preparação)



T7 - Sacramentos (Pe. Marcos - em preparação)



T8 - Demonologia (Pe. Marcos)

R$ 7,00



T9 - Pecados Capitais (Pe. Marcos - em preparação)



T10 - Vocacional para o Compromisso de Aliança (Pe. Marcos)

R$ 8,00



Irmanador Discipulado

Periódico Trimestral

R$ 0,50



Família em Oração 2011

Cânticos

R$ 12,00



Caminhada Discipular 2011 (esgotada)

Agenda

R$ 10,00



Discipulado de Jesus Cristo

Monografia teológica sobre a experiência cristã de Deus no contexto da modernidade

Pe.Marcos Oliveira

R$ ?



À venda na loja das Publicações do Discipulado

Falar com Eudenha (96258162)





Observação:



Sempre verificar atualização de preços no portal DJC na internet.



Não deixar faltar subsídios na loja.



Sempre colocar a barraca nas reuniões e eventos.



Com o tempo, colocar armário lá na secretária geral do DJC.



Vender e pagar fornecedores o mais rápido possível.



A loja é um órgão do Apostolado Geral da Infraestrutura. É muito importante para o DJC realizar a sua missão. Trabalhar em oração no Espírito Santo, pois é um serviço de evangelização.



Arranjar discípulos ajudantes e informar a Socorro/Rizete/Pe. Marcos



Conversar sempre com Socorro/Rizete.



Prestar contas com a Rizete, tesoureira geral, com o controle financeiro da loja.

14 de out de 2011

Senha das Contribuições Fiéis do DJC Antonio Bezerra

Atenção discípulos do DJC Antonio Bezerra, cada contribuinte fiel deverá escolher uma senha e repassar para a Lúcia, articuladora local da Infraestrutura.

Porém, o prefixo é comum para o organismo. No caso do DJC Antonio Bezerra, o prefixo será 8.

A senha sempre deverá ter 4 números no mínimo e 6 no máximo.

Porém, sempre antecedida pelo prefixo do organismo no qual o discípulo está caminhando.

Exemplos:

8 - 6549

8 - 73981

8 - 886395

Maiores informações no blog do Apostolado da Infraestrurura, mês de julho de 2009.

Graça e Paz!

13 de out de 2011

Corpo de Apostolado 17-10-11

Bom dia discípulos de Jesus!

Dia 17 de outubro, às 19h, teremos a reunião estatutária do Corpo de Apostolado do Discipulado de Jesus Cristo, mais conhecida como reunião dos Servidores.

Será na sede de cada Organismo, seguindo a ordem de prioridade, a saber: primeiro por DJCs Locais, depois por Específicos Gerais e em fim por Missões.

Dado que estas postagens, além de lembretes, são formações práticas, falamos da ordem de prioridade acima para lembrar que, se um discípulo serve em um DJC Local e em um Específico Geral, então a prioridade para sua presença na reunião será para o DJC Local.

E se serve em um Específico Geral e em uma Missão, a prioridade será para o Específico Geral.

E se serve somente em uma Missão, então a prioridade será, logicamente, para a Missão.

Essas reuniões do Corpo de Apostolado são para oração, integração, formação e partilha. Os encaminhamentos do Organismo propriamente ditos são realizados na reunião da sub-fraternidade de aliança.

Que o responsável por cada Organismo do DJC possa cultivar cada vez mais a mística de sermos um só Corpo de Apostolado do DJC. Estamos em localidades e organismos diferentes, mais somos um só DJC, para reavivar e desenvolver integralmente a vida cristã-batismal, ou seja, ser e fazer discípulos!

Às vésperas do Kairós 2011, boa reunião!

Fraternalmente,

Pe. Marcos Oliveira

10 de out de 2011

Fiat

“Faça-se em mim segundo a tua palavra!” Foi esta a sublime resposta de Maria, o seu “fiat” quando da anunciação do Anjo de que tinha sido a escolhida por Deus para ser a Mãe do Salvador.







Na plenitude dos tempos Deus mesmo a escolheu ENTRE TODAS AS MULHERES DO MUNDO para uma missão especial no seu projeto de salvação. Logo, é lógico que Maria era uma pessoa muito, mais muito especial mesmo.





Jesus é o centro de tudo. E Maria foi central no modo como Ele veio ao mundo, cresceu como pessoa em Nazaré da Galiléia e realizou a sua missão fazendo somente o bem por onde passava.







“Ao ajuntamento das águas Deus chamou mar. Ao ajuntamento das graças Deus chamou Maria”. Daí o título carinhoso que o povo cristão lhe conferiu: Maria de Nazaré, Maria das Graças, Nossa Senhora das Graças! Mais tarde este título foi oficializado pela Igreja por ocasião da aparição milagrosa a Santa Catarina Labouré.







Sejamos sempre disponíveis à vontade do Senhor. Mesmo quando não a compreendermos totalmente, ela é sempre o melhor para a nossa felicidade. E se podemos mergulhar nas águas do mar, então também podemos inebriar-nos nas graças de Maria.







Maria de Nazaré, Nossa Senhora das Graças, consagramo-nos inteiramente a ti. Vens de Deus e nos queres somente para Deus. Somos teus ó Maria!







Feliz festa da Padroeira 2011!







Fraternalmente,







Pe. Marcos Oliveira


8 de out de 2011

Rezar sem tentar a Deus



Nossa fé deve ser uma confiança total no Deus da Vida, que criou tudo a partir do nada e tem poder de sobra para realizar tudo que desejar. É nesta fé que devemos rezar, lançando-nos inteiramente nas mãos do Divino Pai Celestial que nunca haverá de nos abandonar. Não vos preocupeis com o dia de amanhã. Olhai os lírios do campo. Olhai os pássaros do céu. Se Deus cuida deles com tanto amor, quanto mais haverá de cuidar de nós, que temos muito mais valor, pois somos seus filhos e filhas!  



Deus é o Criador do Universo e é por um desígnio eterno da sua Divina Providência que mantém tudo existindo. Para Ele nada é impossível, Ele é o Senhor da história, tudo concorre para o bem daqueles que o amam, pode tirar bem até de males e também pode escrever reto até mesmo em nossas linhas tortas. O pouco com Ele é muito e o muito sem Ele é nada. Sem Ele fazemos uma tempestade num copo d’água, mais com Ele caminhamos sobre as águas até alcançar o porto seguro da sua paz e do seu amor.



Não devemos ter medo, mais fé, confiança total no amor e no poder de Deus, como Jesus ensinava insistentemente aos seus discípulos. É tanto que todas as vezes que abençoava uma pessoa e lhe concedia um milagre, Jesus dizia: “Vai em paz, a tua fé te salvou!”



Devemos confiar e esperar na Divina Providência antes e acima de tudo e de todos. Porém, a fé na Divina Providência não retira a necessidade da nossa humana previdência. Temos que fazer a nossa parte, respeitar as leis da natureza e situar-se com esperança em meio as mais diferentes circunstâncias da vida, boas ou ruins.



Sempre rezando, confiando e amando a Deus, sabendo que no final, tudo vai concorrer para o bem daqueles que o amam.  E amar a Deus em meio às circunstâncias da vida é entregar-se a Ele como filho e obedecer a sua vontade, pois mesmo quando não compreendermos tudo que nos envolve ou que nos acontece, a vontade dele sempre é a melhor para a nossa felicidade e para o bem da humanidade em geral.



A grande tentação de Satanás em meio às tempestades, é fazer por onde percamos Deus de vista, fiquemos revoltados, percamos a fé e não esperemos mais nele. Para tanto, o inimigo oferece mil e uma alternativas falsas pelas quais poderíamos viver sem o Deus da Vida revelado por Jesus Cristo. É nesses momentos de tentação para perdermos a fé, que devemos ter mais fé ainda, lançando-nos com mais confianças nas mãos do amor de Deus e suplicar a sua misericórdia EM NOME DE JESUS.



Mais nesses momentos, também devemos estar atentos àquela outra tentação de Satanás, que até Jesus sofreu quando estava no deserto se preparando para a sua missão: a tentação de tentar a Deus.



Devemos rezar, mais sem tentar a Deus. O Diabo dizia para Jesus se lançar do alto da montanha nas pedras do precipício, pois Deus enviaria os seus anjos que não deixariam que se machucasse. Ora, isto não é fé, mais fanatismo. Pra quê criar um problema pra Deus resolver? Pra quê se lançar contra pedras sem necessidade?



Seguindo o exemplo de Jesus devemos rezar, mais sem tentar a Deus: fazendo a nossa parte, zelando pelo nosso corpo e espírito, não criar problemas desnecessários, procurando os recursos que Deus foi favorecendo ao longo da história e colocando à nossa disposição, seja através da própria natureza, seja através da ciência e da técnica.



Em um momento de enfermidade, por exemplo, deve-se orar com fé pedindo a cura do doente. Quanto mais vezes orar, melhor, pois orar é apresentar nossas necessidades a Deus com súplicas e ação de graças. Quanto ao modo como vai nos abençoar, devemos deixá-lo bem à vontade. Enquanto isso, devemos ir fazendo a nossa parte: tomando remédios, seguindo as orientações do médico, pois eles também são instrumentos de Deus (Eclo 38,1-15).



Hoje vejo tantas pessoas cheias de saúde, mais o modo pelo qual Deus abençoou-as não foi através de um milagre instantâneo, mais através da medicina. E essas pessoas, uma vez tendo retornado às atividades normais do dia a dia, a primeira coisa que fizeram foi testemunhar e agradecer a Deus publicamente, pois sentiram a sua mão conduzindo tudo para o bem, para a saúde e para a vitória.



Olhai os lírios do campo. Olhai os pássaros do céu. Se Deus cuida deles com tanto amor, quanto mais haverá de cuidar de nós, que temos muito mais valor, pois somos seus filhos e filhas!  





Oração

Pai Amado, Deus da Vida, muito obrigado pelo teu infinito amor. Apresento a ti as minhas necessidades com súplicas e ação de graças. Entrego-me inteiramente a ti em meio às diversas circunstâncias da minha história pessoal, familiar e comunitária. Algumas dessas circunstâncias não são boas e querem me afogar. Em Nome de Jesus, estende a tua mão e vinde em meu auxílio. Concedei-me a bênção que preciso receber. Cura-me, salva-me, liberta-me! Ilumina os meus caminhos e pela tua divina providência ajuda-me a passar da tempestade para a paz, da doença para a saúde, das tribulações para a vitória. Em Nome de Jesus e por intercessão de São Paulo Apóstolo, derrama o teu Espírito e concede-me a bênção da vida em abundância. Amém!



Pai nosso, que estais nos céus, santificado seja o vosso nome; venha a nós o vosso reino, seja feita a tua vontade, aqui na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos daí hoje; perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos ofendeu, e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Amém!



Do mal da enfermidade. Livrai-nos, Senhor!

Do mal da fraqueza...

Do mal dos vícios...

Do mal da incredulidade...

Do mal das tentações diabólicas...

Do mal da pragas e maldições...

Do mal do ódio...

Do mal do ressentimento...

Do mal do desemprego...

Do mal da angústia...

Do mal da tristeza...

Do mal das escravidões espirituais...

De todo tipo de mal... 


Livrai-nos de todos os males, ó Pai, e dai-nos hoje a vossa paz. Ajudados pela vossa misericórdia, sejamos sempre livres do pecado e protegidos de todos os perigos, enquanto, vivendo a esperança, aguardamos a vinda de Cristo Salvador. Amém!



Vosso é o reino, o poder e a glória para sempre! Amém!



Glórias a Ti, Senhor, hoje e sempre e por toda eternidade! Amém! Aleluia! Amém!



Definitivamente, o meu Amém é Jesus!



Muito obrigado, meu Senhor e meu Deus!



Pe. Marcos Oliveira